Assessoria Jurídica e Contencioso

O Serviço de Assessoria Jurídica e Contencioso tem as seguintes atribuições:

  • Dar parecer, prestar informações e elaborar estudos jurídicos sobre quaisquer assuntos que lhe sejam submetidos pelos respetivos membros do Conselho de Administração;
  • Preparar circulares, regulamentos, ou outros documentos de natureza normativa ou contratual que se revelem necessários;
  • Apoiar os Serviços na elaboração de contratos;
  • Instruir processos disciplinares, de inquérito e de averiguações;
  • Instruir procedimentos de caráter pré-contencioso, com vista à cobrança extrajudicial, de dívidas hospitalares resultantes da prestação de cuidados de saúde;
  • Propor e instruir procedimentos de cobrança contenciosa, nos termos do Decreto-Lei n.º 218/99, de 15 de Junho ou de idêntico regime jurídico que se encontrar em vigor;
  • Prestar apoio aos advogados nos processos judiciais em que o Hospital seja parte, facultando os elementos/documentos necessários ao patrocínio dos mesmos.

 

Equipa:

  • Dr. Luís Camejo, Diretor de Serviço

Contactos:

Telefone: 212 727 188

Financeiros

Serviço de Gestão Financeira

Os Serviços Financeiros colaboram com o Conselho de Administração na preparação e acompanhamento de execução de orçamentos e contratos programa e, também, na prestação de contas.

O Serviço integra as seguintes unidades funcionais:

  • Gestão Financeira e Contabilística
    • Assegura a gestão integrada dos recursos financeiros, tendo em conta a sua conformidade legal e regularidade financeira;
    • Assegura a escrituração e os registos contabilísticos obrigatórios;
    • Organiza e mantém uma contabilidade analítica de gestão de forma a permitir um adequado controlo de custos.

 

  • Gestão de Tesouraria
    • Arrecada as receitas e paga as despesas devidamente autorizadas;
    • Prepara a elaboração de planos de tesouraria e, quando aprovados, acompanha a sua execução.

 

Equipa:

  • Dr. Gonçalo Raimundo, Diretor de Serviço

 

Contactos:

Telefone: 212 727 212

E-mail: faturacao@hgo.min-saude.pt

Gestão Logística

Serviço de Gestão Logística

O Serviço de Gestão Logística tem como missão a disponibilização de um modo permanente, dos bens e serviços necessários e adequados ao regular funcionamento do Hospital, em quantidade, qualidade, no momento oportuno, ao menor custo e com a segurança desejada.

Compete ao Serviço de Gestão Logística:

  • Planear as necessidades de stocks;
  • Garantir a gestão administrativa e económica de todos os procedimentos de aquisição de bens e serviços e de obras públicas, em conformidade com as disposições legais;
  • Gerir e controlar stocks, designadamente o desenvolvimento das ações de gestão administrativa, económica e física dos stocks;
  • Fomentar a articulação entre os seus profissionais e os profissionais dos serviços utilizadores, assegurando a rentabilização dos recursos;
  • Garantir que o controlo e a avaliação dos artigos e da prestação de serviços se encontram assegurados;
  • Controlar e avaliar a utilização dos artigos e a prestação dos serviços;
    Proceder ao controlo da encomenda (até à conferência da fatura, registo e envio para os Serviços Financeiros);
  • Propor ao Conselho de Administração formas de trabalho em parceria com os fornecedores, que evidenciem resultados economicamente mais vantajosos.

Aquisições de Bens e Serviços: Compras, concursos, controlo das encomendas, avaliação dos fornecedores e negociação das condições de compra.

Conferência de Faturas: Receção e conferência de todas as faturas, assegurando a conformidade das mesmas com os processos de aquisição, de receção no armazém ou prestação de serviços;

Gestão de Stocks e Armazéns: Gestão e controlo de stocks, receção, armazenagem e distribuição de produtos e avaliação dos fornecedores.

Cada área desenvolve a sua atividade, articulando os diversos sectores que o constituem, de forma a garantir uma gestão global e integrada dos artigos e o conhecimento de toda a atividade desenvolvida, associada ao exercício e otimização da função aprovisionamento.

Equipa:

Dr. Rui Moreira, Diretor de Serviço

 

Contactos:

Telefone: 212 727 205

E-mail: aprovisionamento@hgo.min-saude.pt

Hoteleiros

O Serviço de Gestão Hoteleira tem como missão a gestão das prestações hoteleiras quer das de produção direta quer das adquiridas ao exterior.

O Serviço de Alimentação tem como missão a supervisão do fornecimento de refeições e distribuição diária de todos os alimentos, aos diferentes serviços de internamento e refeitório de pessoal, nas devidas condições de higiene e segurança alimentar. Este fornecimento está adjudicado a uma empresa de restauração coletiva.

O Serviço de Alimentação depende da Diretora dos Serviços Hoteleiros e é constituído pela equipa de dietistas do Serviço de Nutrição, uma médica veterinária (em regime de prestação de serviços) e uma assistente técnica.

Os elementos do SN e a Médica Veterinária supervisionam o fornecimento de alimentação, pela empresa concessionária, através do controlo e verificação qualitativa e quantitativa das refeições, verificando a conservação, confeção e distribuição dos alimentos, fazendo auditorias e aplicando “check-list” diárias.

Equipa:

  • Dra. Alexandra Santos, Diretor de Serviço

 

Contactos:

Telefone: 212 726 773

Email: sec.alimentacao@hgo.min-saude.pt

Informática

Missão e Competências

O Serviço de Gestão de Sistemas de Informação tem por missão apoiar a definição das políticas e estratégias das tecnologias de informação e comunicação do HGO, garantindo o planeamento, conceção, execução e avaliação das iniciativas de informatização e a atualização tecnológica das respetivas áreas e serviços, assegurando uma gestão eficaz e racional dos recursos disponíveis.

O Serviço de Gestão de Sistemas de Informação visa a excelência dos serviços prestados ao universo de utilizadores do HGO, apostando na inovação, no dinamismo dos seus colaboradores e da organização e na atenção aos sinais de mudança para, em qualquer momento e de forma concertada com os diferentes parceiros, oferecer uma infraestrutura de informática e comunicação estável, segura, sempre disponível e tecnologicamente atual.

Compete também ao Serviço de Gestão de Sistemas de Informação, dotar o HGO de sistemas de informação atualizados, seguros e abrangentes, perspetivando a universalidade do acesso e a utilização de standards internacionalmente reconhecidos na implementação e exploração dos sistemas informáticos.

 

  • Equipa:
    Dr. Fernando Melo, Diretor de Serviço

 

Contactos:

Telefone: 212 727 216

E-mail: informatica@hgo.min-saude.pt

Recursos Humanos

Serviço de Gestão de Recursos Humanos

Missão
O Serviço de Gestão de Recursos Humanos tem como missão contribuir para a concretização dos objetivos estratégicos, assegurando a transferência de valor através da definição e concretização das políticas de RH bem como uma resposta eficaz e eficiente às necessidades da entidade, a par do cumprimento das obrigações legais e contratuais estabelecidas.

O Serviço está organizado em três áreas distintas: Desenvolvimento do Capital Humano, Assessoria Laboral e Processamento Salarial.

Desenvolvimento do Capital Humano
Recrutamento, seleção e acolhimento
Avaliação de desempenho
Programa de benefícios
Análise e informação de gestão
Políticas, procedimentos e regras

Assessoria Laboral
Relacionamento com os colaboradores
Gestão administrativa e de cadastro
Gestão contratual
Indicadores de gestão

Processamento Salarial
Compensação
Gestão de assiduidades

 

Equipa:

  • Dra. Paula Rodrigues, Diretor de Serviço

 

Contactos:

Telefone: 212 726 726

 

Saúde Ocupacional

O Serviço de Saúde Ocupacional tem como missão a promoção, desenvolvimento e implementação de um sistema organizado de programas de Segurança, Higiene e Saúde no HGO, tendo em atenção o contexto sociocultural, económico e tecnológico da organização, com a finalidade de prevenir os riscos profissionais e promover a saúde dos trabalhadores.

O Serviço de Saúde Ocupacional desenvolve uma política de intervenção ao nível das seguintes áreas:

  • Vigilância da Saúde dos Profissionais;
  • Avaliação de Riscos no Local de trabalho;
  • Promoção da Saúde no local de trabalho;
  • Acidentes de Trabalho;
  • Prevenção e Controlo de Infeção/ Imunização;
  • Formação/ Informação dos Profissionais.

Considerando que a interação entre o ambiente de trabalho e o trabalhador, se desenvolve de forma dinâmica e contínua, o Serviço adota uma política integrada nas áreas da Saúde, Ergonomia, Higiene e Segurança no Trabalho, com o objetivo de prevenir os riscos no trabalho e de promover a saúde dos profissionais da Instituição.

 

Equipa:

  • Dra. Lídia Correia, Diretor de Serviço
    Dra. Margarida Bentes Oliveira, Administrador

Contactos:

Telefone: 212 727 323

E-mail: sec.saudeocupac@hgo.min-saude.pt

Serviço de Planeamento, Análise e Controlo de Gestão

A Missão do Serviço de Planeamento, Análise e Controlo de Gestão (SPEACG) é garantir o planeamento e controlo de gestão necessários à implementação, com sucesso, da estratégia do HGO. Nesse sentido, compete ao SPEACG prestar apoio no processo de decisão do Conselho de Administração e dos outros níveis de Gestão do HGO, através da disponibilização de informação sobre atividade assistencial, acesso a cuidados de saúde e económico-financeira.

A Visão da SPEACG é ser o produtor de referência da informação de gestão do Hospital, quer para utilizadores internos, quer para entidades externas.

O SPEACG é constituído pelas seguintes Unidades:

  1. Unidade de Controlo de Gestão – Técnica Superior Vanda Almeida, Técnico Superior João Lima e AT Helena Cordeiro (Contratualização Externa, Contratualização Interna e Estatística)
  • Contratualização Externa
    • Monitorizar o desempenho do HGO e carregar no SICA, dentro do prazo estabelecido, a informação necessária à monitorização do desempenho do Hospital – tarefas/dados com periodicidade variável – mensal, trimestral, semestral e anual
    • Elaborar a proposta para o Conselho de Administração (CA), em estreita articulação com o Serviço de Recursos Humanos e os Serviços Financeiros, do Plano de Atividades e Orçamento – PAO, com a proposta de produção, metas dos objetivos de qualidade e eficiência, estrutura de gastos e rendimentos a incluir no Contrato-Programa/Acordo Modificativo
    • Carregar no SICA a proposta de PAO e após a negociação com a ARSLVT, submeter a sua versão final, que será apreciada pela titela conjunta (Saúde e Finanças).
    • Acompanhar a execução do Contrato-Programa e propor ajustamentos aos valores contratados, sempre que os desvios se justifiquem, dentro do princípio de orçamento – global
    • Elaborar o Relatório Analítico Mensal de Desempenho Assistencial e submeter à aprovação do CA
    • Coordenar a elaboração, em articulação com as restantes áreas, do Relatório e Contas e o Relatório do Governo Societário

 

  • Contratualização Interna
    • Desenvolver o modelo de acompanhamento dos vários serviços, de forma a seguir a evolução do desempenho assistencial e económico-financeiro, analisar os desvios e identificar propostas de melhoria
    • Colaborar na elaboração do Balanced Score Card (BSC), através da análise de indicadores específicos e das metas anuais estabelecidas, em colaboração com a equipa de gestão do Serviço e em articulação com o Diretor da Produção

 

  • Estatística
    • Garantir e dar resposta, de forma adequada e, no prazo de 2 dias úteis, a todos os pedidos internos de informação estatística
    • Garantir e dar resposta, de forma adequada e cumprindo os prazos, a todos os pedidos externos de informação estatística (inclui INE, reporte diário Urgências – SDM e ARSLVT, Plano de Contingência, etc)

 

2. Unidade de Apoio ao Gabinete de Codificação e Auditoria Clínica: AT Helena Alexandre e AT Conceição Cantante

  • Introduzir de códigos na aplicação SIMH, referentes a todos os episódios de internamento, ambulatório cirúrgico e médico.
  • Proceder ao controlo da folhas de codificação entregues e/ou introduzidas pelos médicos, resumindo o valor a processar a cada médico.
  • Informar a Direção do Serviço, até dia 10 do mês seguinte do número de episódios não codificados, por serviço/médico codificador
  • Sinalizar os códigos incorretos e solicitar ao médico codificador a sua correção.
  • Correção dos erros identificados na Auditoria.
  • Extração de ficheiros SIMH
  • Elaboração de queries BIMH

Equipa:

  • Dra. Vanessa Rodrigues, Diretor de Serviço

 

Contactos:

Telefone: 212 726 685

SIE - Instalações e Equipamentos

Missão e Competências

Garantir a todo o momento e nas melhores condições de custo/ benefício que todos os outros serviços do Hospital cumpram as suas missões de forma segura e com a qualidade máxima de acordo com os estados de arte técnica e economicamente disponíveis.

O Serviço de Instalações e Equipamentos (SIE) é a entidade responsável pela manutenção e conservação das estruturas hospitalares assim como de todos os equipamentos existentes, exceção a rede e equipamentos informáticos, na ótica do utilizador.

O SIE é o serviço responsável pelo estudo e projetos de alterações técnicas de vulto em investimentos de substituição e estratégicos do Hospital.

Compete ao SIE garantir todas as ações de manutenção preventiva e corretiva a todo o parque de equipamento e infraestruturas existentes, para tal dispõe de uma equipa técnica que assegura a prestação de manutenção de primeira linha em todos os equipamentos e infraestruturas.

Paralelamente e sempre que se justifique é também competência do SIE a gestão de contratos de manutenção para os equipamentos que o possuam assim como avaliar a necessidade destes caso a caso e ano a ano.

A nível de telecomunicações deve o SIE analisar e implementar as soluções disponíveis no mercado de forma a conseguir os melhores serviços numa perspetiva custo/ rentabilidade.

É igualmente a entidade responsável pela análise técnica de todas as aquisições relacionadas com equipamentos ou infraestruturas, quer na fase de elaboração de caderno de encargos, quer nas fases de escolha e instalação/implementação da solução.

O SIE está dividido em seis grandes áreas de intervenção:

  • Electromedicina
  • Infraestruturas
  • Segurança
  • Zonas Verdes
  • Limpeza e Resíduos
  • Parque Automóvel

Equipa:
Eng. David Gervásio, Diretor de Serviço

 

Contactos:

Telefone: 212 726 879

Anestesiologia

Anestesiologia é a especialidade médica que estuda e proporciona a ausência ou alívio da dor em procedimentos cirúrgicos e exames de diagnóstico, durante os quais identifica e trata eventuais alterações das funções vitais, e cuida dos diversos sistemas do organismo. Atua ainda no âmbito da dor aguda e crónica aliviando o sofrimento.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Anestesiologia?

O Serviço presta assistência a todos os doentes nos períodos do pré, intra e pós operatórios, além da promoção da assistência, ensino e pesquisa em anestesia.

A atividade assistencial do Serviço distribui-se pelas seguintes áreas:

  • Bloco Operatório;
  • Bloco de Partos;
  • Cirurgia de Ambulatório;
  • Imagiologia/Neurorradiologia de intervenção e Angiografia;
  • Unidade Cuidados Intensivos Neurocirúrgicos;
  • Apoio aos exames endoscópicos de Gastroenterologia;
  • Centro de Infertilidade e Reprodução Medicamente Assistida;
  • Psiquiatria (ETC);
  • Consulta (pré-operatório);
  • Pós-operatório (controlo da dor aguda);
  • Urgência;
  • Internamento;
  • Recolha de órgãos e transplantes renais.

Equipa:

  • Dra. Ana Paula Sousa, Diretor de Serviço
  • Dra. Umbelina Santos, Administrador

 

Contactos:
Telefone: 212 727 231
Email: secretariado.anestesia@hgo.min-saude.pt

Centro de Referência do Cancro do Reto

Cancro Colorretal

O Cancro Colorretal (CCR) é a terceira causa de cancro diagnosticada em homens, e a segunda em mulheres a nível mundial. A Sociedade Americana de Cancro (ACS) estima que irão ocorrer em 2019 101.420 novos casos de cancro do colon e 44.180 novos casos de cancro do reto. Estima ainda que são esperadas 51.020 mortes devido ao cancro colorretal.

O INE (Instituto Nacional de Estatística) refere que em 2017 ocorreram 3852 mortes em Portugal por cancro colorretal e do ânus. Segundo a World Cancer Research Fund a taxa de incidência do CCR em Portugal é de 40 por 100.000 habitantes.

É uma patologia que surge com maior frequência entre a 5ª e a 7ª décadas de vida, sendo que numa pequena percentagem de casos, surge antes dos 40 anos, habitualmente no contexto de CCR hereditário (Polipose Adenomatosa Familiar ou Carcinoma Colorretal hereditário não polipósico).

Apesar dos valores referidos é uma patologia que pode ser prevenida, através da instituição de hábitos de vida e de alimentação saudáveis, e rastreada, diminuindo assim a sua incidência e a sua mortalidade. O CCR é, de facto, um dos cancros mais acessíveis ao rastreio, pois a grande maioria desenvolve-se a partir de pólipos adenomatosos do cólon. Estima-se que a progressão de um adenoma até carcinoma ocorra no intervalo de tempo de pelo menos 10 anos, o que fornece uma boa oportunidade para o rastreio, uma vez que a remoção dos pólipos do cólon, normalmente assintomáticos, evita o aparecimento do mesmo.

Atualmente a Direção Geral da Saúde (DGS) propõe como rastreio a realização de PSOF (Pesquisa de Sangue Oculto nas Fezes) a toda a população sem fatores de risco, com idades entre os 50 e os 74 anos, seguida da realização de colonoscopia nos casos de teste positivo. Este programa só por si diminui a taxa de mortalidade por CCR em 16%.

O tratamento do CCR implica uma extensa e complexa atuação multidisciplinar, incluindo inúmeras especialidades médicas tais como: Cirurgia Geral, Gastroenterologia, Imagiologia, Oncologia, Radioterapia, Anatomia Patológica, Medicina Nuclear e Anestesiologia; outros profissionais de saúde tais como enfermeiros e nutricionistas dedicados a esta área, inúmeros técnicos de diferentes áreas, bem como a utilização de várias infraestruturas hospitalares: enfermaria, bloco operatório, laboratório de análises clínicas e de anatomia patológica, salas de exames radiológicos (Rx, ecografia, TC e Ressonância Magnética), hospital de dia de oncologia e de radioterapia, salas de exames especiais (anuscopias, colonoscopias).

 

O Centro de Referência do Cancro do Reto

Em Setembro de 2015, a DGS abriu um concurso com o objetivo de selecionar os hospitais do país com experiência e capacidade de prestação de cuidados médicos e cirúrgicos de elevada qualidade para o tratamento do Cancro do Reto. O Hospital Garcia de Orta submeteu a sua candidatura tendo demonstrado a sua capacidade para o tratamento desta patologia e os seus resultados no tratamento desta patologia, bem como, a taxa de complicações associada, demonstrando excelentes indicadores nesta área.

O reconhecimento oficial pelo Ministério da Saúde do referido Centro de Referência no HGO permitiu a concentração de casuística e recursos para o diagnóstico, tratamento e investigação científica desta patologia que envolve uma equipa multidisciplinar, com recurso a controlo científico e médico, com vista a uma prestação de cuidados de saúde de qualidade e segurança de excelência.

Em Agosto de 2019 terminou o processo de auditoria pela Direção Geral de Saúde ao Centro de Referência de Oncologia de Adultos- Cancro do Reto, tendo este recebido a avaliação BOM, avaliação esta que se manterá até 2024.

O Centro de Referência de Oncologia de Adultos – Cancro do Reto (CRE CR) do Hospital Garcia de Orta. EPE, presta serviços de diagnóstico, estadiamento, terapêutica médica e cirúrgica e consequente seguimento aos seus doentes com cancro colorretal, incluindo atividades desenvolvidas em ambulatório e em internamento, tendo sido reconhecido nas suas competências para prestação de cuidados de saúde diferenciados de qualidade.

O CRE CR recebe doentes de toda a área de referenciação do HGO, podendo receber também doentes de outras áreas, por vantagem terapêutica ou por mudança de residência, casos que serão avaliados individualmente.

Objetivos do CRE CR

  • Melhorar a capacidade diagnóstica e de tratamento da patologia cirúrgica do cancro do reto;
  • Agregar capacidade de resposta sinérgica em torno de entidades nosológicas com afinidades nas suas manifestações e abordagens diagnósticas e terapêuticas;
  • Maximizar o potencial inovador das ciências médicas e das tecnologias da saúde, otimizar ao máximo a investigação científica, potencializando-a a fim de obter reconhecimento internacional;
  • Disponibilizar cuidados de saúde de elevada especialização, traduzidos em melhorias significativas na qualidade, custo-efetividade e segurança de acordo com a carteira de serviços;
  • Prestar cuidados de saúde de elevada qualidade, eficientes e acessíveis, aos doentes cuja condição clínica exija uma concentração especial de conhecimentos médicos, altamente diferenciados;
  • Possibilitar acompanhamento individualizado do doente e da família e promover a sua participação no processo de tratamento;
  • Informar de forma concisa e clara o doente e família sobre a situação clínica ao longo do seu processo de tratamento;
  • Promover as boas práticas;
  • Promover o ensino e a investigação na área do cancro do reto, incentivando a formação dos profissionais;
  • Contribuir para a reforma estrutural do setor hospitalar.

 

O Centro de Referência do Cancro do Reto é uma unidade multidisciplinar, como tal a estrutura física em que decorrem as várias atividades do centro, e por onde os doentes são acompanhados nas diferentes fases do seu tratamento é complexa e está descrita posteriormente no Percurso do Doente.

A estrutura física do Centro de Referência do Cancro do Reto engloba assim as seguintes áreas clínicas:

  • Bloco Operatório Central
  • Hospital de Dia do Serviço de Hemato-oncologia
  • Internamento do Serviço de Cirurgia Geral
  • Internamento do Serviço de Hemato-oncologia
  • Serviço de Anatomia Patológica
  • Serviço de Patologia Clínica
  • Serviço de Medicina Intensiva
  • Serviço de Medicina Nuclear
  • Unidade de Cirurgia de Ambulatório
  • Unidade Funcional de Exames Especiais

O Centro de Referência do Cancro do Reto dispõe da seguinte Carteira de Serviços.

Equipa:

O CRCR, de acordo com o estipulado na candidatura a Centro de Referência, através do concurso aberto pelo Aviso 8402-O/2015 da Direção Geral da Saúde (DGS), engloba na sua equipa Médicos das várias especialidades (Cirurgia Geral, Oncologia, Gastroenterologia, Radiologia, Anatomia Patológica, Anestesiologia e Radioterapia), bem como Enfermeiros, Nutricionistas, Técnicos Superiores de Diagnóstico e de Terapêutica, Assistentes Sociais, Farmacêuticos, Psicólogos, Técnicos de Informática e Assistentes Operacionais. Esta equipa multidisciplinar apresenta uma diferenciação específica em patologia colorretal e participação frequente em reuniões nacionais e internacionais. O CRCR é também apoiado por outras especialidades médicas do Hospital Garcia de Orta (Medicina Interna, ImunoHemoterapia e Medicina Física e Reabilitação), bem como pela Farmácia Hospitalar, pelo Serviço de Nutrição e Serviço de Psicologia.

O CRCR articula-se ainda com outras instituições de forma a garantir a qualidade dos cuidados de saúde prestados aos seus doentes, tais como, o Serviço de Radioterapia do Hospital do Barreiro, o Serviço de Genética do IPATIMUP, o Departamento de Cirurgia HepatoBilioPancreática do Hospital Curry Cabral (Centro Hospitalar Lisboa Central) e o Serviço de Cirurgia Torácica do Hospital Pulido Valente (Centro Hospitalar Lisboa Norte).

PDF | Equipa

 

DOCUMENTOS:

 

Contactos:

 

  • Hospital Garcia de Orta
    • Serviço de Cirurgia Geral | Localização: Piso 4 | Horário: 08:30 – 16:00 | Telefone: 212 727 114 | E-mail: crcr@hgo.min-saude.pt
      • Cirurgia I: 212 727 112
      • Cirurgia II: 212 727 118
    • Serviço de Hemato-oncologia | Localização: Piso 8 | Horário: 08:30 – 16:00 | Secretariado: 212 726 798 | Hospital de Dia: 212 726 810
    • Exames Especiais | Localização: Piso 3 | Horário: 08:30 – 17:00 | Secretariado: 212 724 232

 

  • Centro Hospitalar Barreiro Montijo
    • Radioterapia | Secretariado: 212 147 382

Cirurgia Geral

Cirurgia Geral é a especialidade médica que se dedica ao diagnóstico e tratamento de doenças passíveis de abordagem por procedimentos cirúrgicos, nomeadamente doenças do sistema digestivo, doenças endócrinas (glândulas tiroide e suprarrenal), da patologia da mama e das hérnias da parede abdominal. A cirurgia da pele e tecido subcutâneo (pequena cirurgia com anestesia local), a cirurgia laparoscópica e a cirurgia do trauma também se enquadram na cirurgia geral.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Cirurgia Geral

  • Internamento;
  • Consulta Externa;
  • Bloco Operatório;
  • Cirurgia de Ambulatório;
  • Urgência (interna e externa).

O Serviço desenvolve ainda atividades pedagógicas, nas áreas de ensino médico e de enfermagem, pré e pós-graduado, além de investigação clínica predominantemente nas áreas de patologia da parede abdominal, da patologia digestiva e oncológica em geral e da colorretal em particular.

O Serviço de Cirurgia Geral disponibiliza as seguintes consultas:

  • Cirurgia Geral;
  • Estomaterapia;
  • Pé Diabético;
  • Proctologia Cirúrgica.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

Equipa:

  • Prof. Doutor Paulo Costa, Diretor de Serviço
  • Enf. Graça Oliveira, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Rita Veloso Mendes, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 114
Email: secretariado.cirurgia@hgo.min-saude.pt

Cirurgia Maxilo-Facial

Cirurgia Maxilo-Facial é a especialidade médica que se dedica ao diagnóstico e tratamento cirúrgico de doenças e deformidades envolvendo aspetos funcionais e estéticos dos tecidos moles e duros da região oral e maxilofacial.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Cirurgia Maxilo-Facial

  • Internamento;
  • Consulta Externa;
  • Bloco Operatório;
  • Cirurgia de Ambulatório;
  • Urgência (interna e externa).

Contactos:
Telefone: 212 727 295
Email: secretariado.orl@hgo.min-saude.pt

Cirurgia Plástica

Cirurgia Plástica é a especialidade médica que que se dedica ao tratamento cirúrgico de doenças, malformações (congénitas e adquiridas) e lesões traumáticas da pele e anexos, nos seus aspetos morfológicos e funcionais.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade da Cirurgia Plástica?

  • Internamento;
  • Consulta Externa;
  • Bloco Operatório;
  • Cirurgia de Ambulatório;
  • Urgência.

A Cirurgia Plástica disponibiliza as seguintes consultas:

  • Cirurgia Plástica Reconstrutiva;
  • Cirurgia Plástica – Cirurgia da Mão;
  • Pré-Cirurgia Dermatológica.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

 

Equipa:

  • Dr. José Carlos Parreira, Coordenador da Unidade Funcional Autónoma
  • Dra. Rita Veloso Mendes, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 335
Email: secretariado.cirplastica@hgo.min-saude.pt

Cirurgia Vascular

Cirurgia Vascular é a especialidade médica que se ocupa do tratamento cirúrgico de doenças das artérias, veias e vasos linfáticos. Atua junto à Angiologia, especialidade responsável pelo estudo clínico dessas doenças.

A Angiologia encarrega-se do estudo, diagnóstico e tratamento clínico das doenças vasculares. O tratamento clínico consiste em ações para promoção, prevenção, recuperação da saúde através de alterações dos hábitos de vida, medicamentos e exercícios físicos. A cirurgia vascular atua no diagnóstico, estudo e tratamento cirúrgico das enfermidades dos vasos. O tratamento cirúrgico pode ser da forma convencional – cirurgia através de incisões – ou por dentro dos vasos cirurgia endovascular.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Angiologia e Cirurgia Vascular?

  • Consulta Externa;
  • Internamento;
  • Laboratório vascular;
  • Angioradiologia diagnóstica e terapêutica;
  • Bloco Operatório;
  • Cirurgia do Ambulatório;
  • Transplante Renal e Acessos Vasculares para Hemodiálise;
  • Formação pré e pós-graduada.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

O Serviço de Angiologia e Cirurgia Vascular realiza os seguintes exames:

  • Estudos ultrasonográficos e hemodinâmicos (carotídeo e vertebral, membros superiores e inferiores arterial e venoso, abdominais, acessos vasculares para hemodiálise e rim transplantado;
  • Arteriografias diretas e por cateterismo;
  • Flebografias.

O acesso a estes exames destina-se apenas aos utentes com prescrição hospitalar, com origem nos serviços de Urgência, Consulta Externa e Internamento. Não são realizados exames com prescrições do exterior.

Equipa:

  • Dra. Maria José Ferreira, Diretor de Serviço
  • Dra. Susana Sampaio, Administrador

 

Contactos:
Telefone: 212 727 194
Email: secretariado.vascular@hgo.min-saude.pt

Neurocirurgia

Neurocirurgia é a especialidade médica que se dedica ao tratamento de doenças do sistema nervoso central e periférico, traumas crânio-encefálicos e raqui-medulares passíveis de abordagem cirúrgica. É também responsável pela substituição de órgãos sensoriais disfuncionais por dispositivos artificiais.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Neurocirurgia

  • Internamento;
  • Bloco Operatório;
  • Consulta Externa;
  • Urgência.

Para além da área assistencial, o Serviço desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada e de investigação.

O Serviço de Neurocirurgia disponibiliza as seguintes consultas:

  • Neurocirurgia;
  • Neurocirurgia Pediátrica;
  • Neurorradiologia de Intervenção.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

Equipa:

  • Dr. Manuel Cunha e Sá, Diretor de Serviço
  • Enf. Leonor Monteiro, Enfermeiro Chefe
  • Enf. Rui Ferreira, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Rita Veloso Mendes, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 143
Email: secretariado.neurocirurgia@hgo.min-saude.pt

Oftalmologia

Oftalmologia é a especialidade médica que se dedica ao diagnóstico e tratamento das doenças dos olhos.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Oftalmologia?

  • Internamento;
  • Consulta Externa;
  • Bloco Operatório;
  • Exames Complementares de Diagnóstico;
  • Urgência.

Para além da área assistencial, o Serviço desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada e de investigação.

Inaugurado a 1 de julho de 1992, o Serviço possui diferenciação técnica de topo, em todas as áreas assistenciais, tendo sido pioneiro no tratamento da Retinopatia da Prematuridade.

Desde 2010, encontra-se certificado para colheita e Transplante de Córnea, atividade que realizou com grande destaque nacional em 2011.

Situado no Piso 3, o Serviço conta com uma equipa jovem e dinâmica, mas já com grande experiência nas técnicas mais avançadas da Oftalmologia.

 

Ensino e Investigação
As atividades de ensino desenvolvem-se em várias áreas, envolvendo internos do Internato Complementar de Oftalmologia e internos do Ano Comum, bem como alunos do Curso Superior de Ortóptica da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa e da Escola Superior de Enfermagem.

O Serviço tem em curso vários projetos, nomeadamente uma tese de doutoramento em Oftalmologia, um mestrado em Oftalmologia, mestrados na área de Enfermagem e da Ortóptica, além de vários trabalhos científicos no âmbito da atividade assistencial Oftalmológica.

A atividade do Serviço de Oftalmologia está organizada em diversas áreas que se complementam: consulta geral e subespecialidades, gabinetes de exames complementares de diagnóstico e terapêutica, sala de recobro, bloco operatório de ambulatório, enfermaria e serviço de urgência.

 

Consulta Geral
A consulta geral funciona em cinco gabinetes onde são observados doentes referenciados pelos centros de saúde da área de influência do HGO ou de outras especialidades (doentes internados ou de consulta) do Hospital.

Existe ainda um espaço de consulta com dois gabinetes e uma sala de pré-exame no centro de Saúde de Almada, onde têm lugar diariamente consultas de primeira vez.

As consultas de sub-especialidade funcionam em diferentes gabinetes. Os doentes observados são provenientes da consulta geral, após diagnóstico de patologias oftalmológicas específicas. Inclui os seguintes gabinetes:

  • Glaucoma;
  • Implanto-Refrativa;
  • Inflamação Ocular;
  • Retina Cirúrgica;
  • Retina Médica;
  • Superfície Ocular Externa e Contactologia;
  • Oftalmologia Pediátrica e Estrabismo

Ambulatório
O bloco de ambulatório tem uma sala equipada com microscópio operatório, onde se realizam cirurgias de catarata, injeções intra-vitreas, outras cirurgias de ambulatório e de urgência.

Bloco Operatório
O bloco operatório central dispõe de uma sala também equipada com microscópio cirúrgico, onde se realizam, três dias por semana, cirurgias de catarata, vítreo-retinianas, estrabismos, transplantes de córnea, glaucoma, oculoplástica, e por vezes também cirurgia de urgência.

 

Urgência
O Serviço de Urgência está disponível durante 12 horas por dia, em dias úteis, das 08:00 às 20:00, sendo assegurado por médicos do Serviço de Oftalmologia do HGO. Recebe doentes referenciados do exterior, da Urgência Geral e dos Serviços de Internamento.

 

O Serviço de Oftalmologia disponibiliza as seguintes consultas:

  • Oftalmologia Geral;
  • Glaucoma;
  • Implanto-Refrativa;
  • Inflamação Ocular;
  • Retina Cirúrgica;
  • Retina Médica;
  • Superfície Ocular Externa e Contactologia;
  • Oftalmologia Pediátrica e Estrabismo;
  • Oftalmologia Diabetes Oculares.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

 

Equipa:

  • Dr. Nuno Campos, Diretor de Serviço
  • Enf. Ana Maria Silva, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Vanessa Rodrigues, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 299
Email: secretariado.oftalmologia@hgo.min-saude.pt

Ortopedia

Ortopedia é a especialidade médica que se dedica ao diagnóstico e tratamento médico e cirúrgico das doenças do sistema locomotor. A

Traumatologia lida com o trauma do aparelho músculo-esquelético.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Ortopedia e Traumatologia

  • Internamento;
  • Bloco Operatório;
  • Urgência;
  • Consulta Externa.

Para além da área assistencial, o Serviço desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada e de investigação.

O Serviço tem como missão a prestação de cuidados de saúde do foro das doenças e traumatismos do aparelho locomotor, nomeadamente na sua vertente cirúrgica, à população da área de influência do HGO, assim como a doentes de outras áreas no que diz respeito a patologias e técnicas em que o serviço é considerado de referência nacional.

Para a persecução dessa missão, o serviço implementou uma filosofia de funcionamento conducente à satisfação do utente com a prestação de uma assistência da melhor qualidade, minimizando os custos operacionais, incluindo:

  • Utilização de tecnologias de ponta, que permitam um levante e marcha precoce com baixa demora média de internamento;
  • Disponibilidade de uma equipa médica restrita mas em exclusividade, permitindo uma maior dedicação aos utentes com menores custos operacionais;
  • Organização em unidades de patologias com atribuição de competências, levando a uma melhor qualidade técnica e eficiência dos atos médicos, como também a uma melhor racionalização e rentabilização dos equipamentos;
  • Criação de uma rotina de funcionamento integrada, com reunião clínica e visita médica diária conjunta, de modo a melhor controlar a evolução da patologia dos utentes e evitar prolongamento injustificado do internamento;
  • Instituição de preparação pré-operatória e reabilitação em regime ambulatório, limitando ao mínimo o tempo de internamento dos utentes;
  • Facultar condições para a investigação, formação e troca de informação científica entre profissionais, a nível nacional e internacional, por meio de visitas e estágios a outros serviços, apresentações em eventos científicos, comunicação eletrónica e desenvolvimento de programa de estágios para médicos estrangeiros no serviço.

 

Unidades Funcionais:

Unidade de Ortopedia Infantil e Técnicas de Reconstrução Óssea
Encontra-se vocacionada para o tratamento da patologia da fase de crescimento e para as técnicas de correção de desvios axiais, alongamentos, pseudartroses e infeções ósseas dos membros pela metodologia de Ilizarov.

Unidade de Artroplastia da Anca e Joelho
Está vocacionada para a cirurgia de substituição protésica da anca, utilizando-se próteses totalmente revestida a HAC ou híbrida, e do joelho com próteses cimentadas ou porosas além da cirurgia de revisão de próteses da anca e joelho.

Unidade de Artroscopia, Cirurgia do Joelho e Ombro
Dedica-se principalmente às artroscopias cirúrgicas do joelho e ombro, ligamentoplastias do joelho, acromioplastias e cirurgia de estabilização do ombro.

Unidade de Cirurgia da Mão e Pé
Procede nomeadamente ao tratamento cirúrgico do túnel cárpico e társico, cirurgia tendinosa, fasciectomias, artrodeses e artroplastias de resseção ou substituição, tendo um componente acentuado de cirurgia em regime ambulatório, nomeadamente a cirurgia minimamente invasiva ou percutânea do pé.

O Serviço de Orto-Traumatologia disponibiliza as seguintes consultas:

  • Ortopedia;
  • Ortopedia – Fixadores Externos;
  • Ortopedia Pé Boto;
  • Pediatria Imobilizações;
  • Pediatria Ortopedia;
  • Traumatologia.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

 

Equipa:

  • Dr. Mário Tapadinhas, Diretor de Serviço
  • Enf. Rui Ferreira, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Rita Veloso Mendes, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 153
Email: sec.ortotrauma@hgo.min-saude.pt

Otorrinolaringologia

Otorrinolaringologia é a especialidade médica que se dedica ao diagnóstico e tratamento médico e cirúrgico das doenças dos ouvidos, nariz, garganta, da cabeça e pescoço incluindo glândulas salivares e ainda da voz.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial?

  • Internamento;
  • Consulta Externa;
  • Bloco Operatório;
  • Exames Complementares de Diagnóstico;
  • Urgência.

Para além da área assistencial, o Serviço desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada e de investigação.

O Serviço tem como missão prestar cuidados e serviços médicos de diagnóstico e terapêutica, segundo o estado da arte e com um nível de excelência a todos os utentes que a ele recorrem, na área de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial.

A atividade desenvolvida baseia-se numa filosofia de trabalho em equipa, com ênfase na formação e aplicação de boas práticas médicas e de enfermagem, privilegiando a satisfação das necessidades dos utentes.

A diferenciação e a qualidade da prática clínica desenvolvida neste Serviço, é reconhecida, quer pela Ordem dos Médicos, a qual lhe atribuiu idoneidade em tempo total para formação de especialistas, quer por outras unidades hospitalares do continente e regiões autónomas, as quais referenciam alguns dos seus doentes com patologia mais diferenciada.

O Serviço organiza anualmente um espetáculo musical de beneficência no Dia Mundial da Voz.

 

Internamento

O Serviço de Otorrinolaringologia dispõe de 21 camas de internamento, partilhadas, em termos de espaço físico, com as especialidades cirurgia plástica e cirurgia maxilo-facial.

São internados no Serviço, doentes do foro ORL, em período pré e pós-operatório, para investigação diagnóstica e para tratamento de situações clínicas diagnosticadas na urgência ORL.

 

Urgência

A urgência de otorrinolaringologia decorre em espaço próprio no serviço de ORL (piso 3), dias úteis, das 08:00 às 20:00. São observados doentes com patologia urgente do foro ORL, encaminhados da urgência geral, após triagem.

Durante o mesmo horário os médicos escalados para a urgência externa, efetuam urgência interna, observando, sempre que solicitados, os doentes internados no hospital com queixas do foro ORL.

Bloco Operatório

O Serviço efetua cirurgias de elevada diferenciação em todas as áreas da otorrinolaringologia, dispondo para o efeito de todo o arsenal técnico e conhecimentos científicos necessários.

As cirurgias decorrem à segunda-feira na Unidade de Cirurgia de Ambulatório (UCA) – piso 6, e de quarta a sexta-feira no Bloco Central – piso 1.

Formação

Pré-Graduada

É um dos serviços responsáveis pela cadeira de otorrinolaringologia do Mestrado Integrado de Medicina da Universidade do Algarve;
Participa na formação de alunos de enfermagem no âmbito das parcerias entre as Escolas Superiores de Enfermagem e o HGO/Centro Garcia de Orta;
Participa na formação de alunos de terapia da fala no âmbito das parcerias entre a Escola Superior de Saúde Egas Moniz, a Escola Superior de Saúde de Alcoitão e outras e o HGO/Centro Garcia de Orta;
Participa na formação de alunos de audiologia no âmbito da parceria entre a Escola Superior de Saúde de Coimbra e o HGO/Centro Garcia de Orta.

Pós-Graduada

  • Médicos Internos de Medicina Geral e Familiar (MGF) – Dá formação na área de otorrinolaringologia aos internos de MGF que solicitam este estágio opcional com duração de 1 a 2 meses;
  • Médicos Internos de Otorrinolaringologia (ORL) – Longa experiência na formação de internos da especialidade de otorrinolaringologia, tendo idoneidade total para esta formação;
  • Cursos para médicos de MGF – Efetua com regularidade cursos de formação específica para médicos de MGF;
  • Terapeutas da fala – Participa na formação pós graduada de terapeutas da fala, em patologia da voz e da deglutição;
  • Jornadas Científicas – Organiza anualmente as Jornadas de Otorrinolaringologia do HGO, onde são debatidos aspetos científicos de relevo e /ou inovadores, tendo sempre convidados nacionais e internacionais de renome. Nestas Jornadas são efectuadas cirurgias em directo e cursos práticos.

 

A consulta externa de Otorrinolaringologia decorre todos os dias úteis das 08:00 às 20:00 no piso 3, serviço de ORL. O Serviço disponibiliza as seguintes consultas:

  • ORL geral – adulto;
  • ORL geral – pediatria;
  • Surdez Infantil;
  • Vertigem;
  • Rinite;
  • Olfato;
  • Oncologia ORL;
  • Terapia da Fala.

Podem ser referenciados para a consulta de ORL geral adulto e pediatria, doentes com suspeita de patologia do foro ORL, de acordo com os seguintes procedimentos:

  • Referenciação feita pelo médico de medicina geral e familiar, no centro de saúde ou unidade de saúde familiar, através do sistema informático (Alert P1), com relatório médico detalhado;
  • Referenciação feita pelo médico assistente, através de relatório médico detalhado, entregue no secretariado do serviço de ORL (piso 3);
  • Referenciação feita por médico de outra especialidade intra-hospitalar, através de relatório médico detalhado efetuado no sistema informático (SAM) e entregue no secretariado do serviço de ORL (piso 3).
  • Para as consultas acima referidas de sub-especialidades ORL a referenciação é feita exclusivamente por médicos otorrinolaringologistas do Serviço, após avaliação na consulta de ORL geral.

O Serviço de Otorrinolaringologia disponibiliza os seguintes exames complementares de diagnóstico, os quais são solicitados exclusivamente pelos médicos otorrinolaringologistas do serviço:

  • Audiometria tonal;
  • Audiometria vocal;
  • Audiometria Infantil;
  • Impedanciometria;
  • Potenciais Evocados Auditivos;
  • Otoemissões Acústicas;
  • Videonistagmografia;
  • Posturografia diagnóstica e terapêutica;
  • Olfactometria;
  • Testes de sensibilidade cutânea;
  • Endoscopia das vias aerodigestivas superiores no adulto (endoscopia rígida e flexível);
  • Endoscopia das vias aerodigestivas superiores em crianças;
  • Provas de avaliação da deglutição.

Equipa:

  • Dr. Luís Antunes, Diretor de Serviço
  • Dra. Rita Veloso Mendes, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 295
Email: secretariado.orl@hgo.min-saude.pt

Urologia

Urologia é especialidade médica que se dedica ao diagnóstico e tratamento médico e cirúrgico das doenças do aparelho urinário e do aparelho genital masculino.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Urologia?

A atividade assistencial do Serviço distribui-se pelas seguintes áreas:

  • Consulta Externa;
  • Internamento:
  • Bloco Operatório;
  • Urgência (interna e externa);
  • Hospital de Dia;
  • Exames.

O Serviço desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada.

O Serviço de Urologia disponibiliza as seguintes consultas:

  • Urologia Geral;
  • Uro-Oncologia;
  • Andrologia.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

O Serviço de Urologia realiza as seguintes técnicas de diagnóstico e seguimento de doenças oncológicas da bexiga:

  • Estudos urodinâmicos;
  • Urofluxometria;
  • Quimioterapia intravesical adjuvante das neoplasias vesicais;
  • Testes de disfunção eréctil;
  • Ecografia urológica de intervenção;
  • Biópsia prostática ecoguiada por via transretal.

O acesso a estes exames destina-se apenas aos utentes com prescrição hospitalar, com origem nos serviços de Urgência, Consulta Externa e Internamento. Não são realizados exames com prescrições do exterior.

Equipa:

  • Dr. Miguel Carvalho, Diretor de Serviço
  • Enf. Jaquelina Barros, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Susana Sampaio, Administrador

 

Contactos:
Telefone: 212 727 104
Email: secretariado.urologia@hgo.min-saude.pt

CDC

 

O Centro de Desenvolvimento da Criança Torrado da Silva (CDC) entrou em funcionamento em 2007 e é o único existente na zona Sul do País inserido no Serviço Nacional de Saúde. Destina-se a crianças e jovens com patologias neurológicas e do desenvolvimento, residentes na área de influência do Hospital Garcia de Orta.

O CDC presta serviços de prevenção, diagnóstico e tratamento de todo o tipo de Doenças Neurológicas agudas e crónicas e Perturbações do Desenvolvimento psicomotor, proporcionando uma assistência eficaz e eficiente, defendendo a promoção da qualidade e da excelência.

O CDC tem ainda como objetivos prestar apoio médico e psicossocial às famílias, bem como promover a ligação à comunidade, já desenvolvida pelas Unidades de Neuropediatria e Desenvolvimento e de Reabilitação Pediátrica, incentivando a continuidade de ação, privilegiando a ligação com os cuidados de saúde primários e promovendo a cooperação institucional.

Cooperar com os profissionais que atuam nos apoios educativos para avaliação e definição conjunta da metodologia mais adequada a cada criança e desenvolver atividade científica através da elaboração de trabalhos e projetos de investigação clínica são alguns dos outros objetivos principais.

 

BANCO DE EMPRÉSTIMO DE PRODUTOS DE APOIO (BEPA)

O Banco de Empréstimo de Produtos de Apoio surge de uma parceria entre a APPACDM Lisboa e o Centro de Desenvolvimento da Criança Torrado da Silva, tendo como objetivo melhorar a qualidade de vida das crianças acompanhadas no Hospital Garcia de Orta, assim como da população que tenha a necessidade de recorrer aos nossos serviços, através da disponibilização de produtos de apoio adequados a cada situação.

Com o banco pretende-se dar resposta rápida e sem burocracias no que respeita ao acesso a produtos de apoio, mas também, incentivar a reutilização dos mesmos. Assim, aqueles que deixaram de ser usados, ou os que já não servem às necessidades dos seus utilizadores, podem voltar a ter nova vida. Para tal, o BEPA encontra-se recetivo a produtos de apoio, ou brinquedos usados, de forma a fomentar consciência social da necessidade de criar ambientes sustentáveis para as comunidades.

 

Equipa:

  • Dr. José Paulo Monteiro, Coordenador
  • Dra. Fátima Candoso, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 736 661
Email: seccdc@hgo.min-saude.pt

CIRMA (Infertilidade)

O Centro de Infertilidade e Reprodução Medicamente Assistida (CIRMA) do Hospital Garcia de Orta é uma unidade integrada de assistência ao casal no âmbito da Infertilidade e Reprodução Medicamente Assistida, tendo como objetivo principal identificar, apoiar e orientar os casais com dificuldade em obter uma gravidez.

A Organização Mundial da Saúde considera a “infertilidade como uma doença do sistema reprodutivo” assistindo aos pacientes o direito de acesso ao tratamento. Estima-se que, em Portugal, esta doença afete cerca de 300 mil casais, cerca de 8 a 10 por cento da população em idade reprodutiva.

O CIRMA-HGO encontra-se em funcionamento desde Junho de 2010, oferecendo tratamentos de 1ª linha – inseminação artificial conjugal – IAC. A partir de Julho de 2011, passou a realizar também tratamentos de 2ª linha – fecundação in vitro – FIV e microinjeção intracitoplasmática de espermatozoide – ICSI.

Único centro público a sul do País autorizado a ministrar técnicas de procriação medicamente assistida, o CIRMA-HGO tem como principais objetivos responder aos problemas de infertilidade dos casais, nomeadamente da população dos distritos a sul do Tejo, auxiliar no diagnóstico e tratamento desta doença, contribuindo para o aumento da probabilidade de um casal infértil conseguir a gravidez e o filho que deseja.

Inserido na rede nacional de cuidados em infertilidade (nível III, cuidados hospitalares de segunda linha), o CIRMA-HGO é um centro especializado, que desenvolve e disponibiliza todos os meios de diagnóstico e terapêutica médica ou cirúrgica disponíveis, tratando casais da sua área de influência e tendo realizado no ano de 2012 cerca de 450 primeiras consultas de infertilidade, que geraram um total de cerca de 3000 consultas e cerca de 400 tratamentos de procriação medicamente assistida.

 

Atividades e Exames:

  • Consulta de Apoio à Fertilidade
  • Consulta de Enfermagem
  • Entrevista de Psicologia
  • Ecografia Ginecológica
  • Espermograma
  • Técnicas de PMA
  • Recolha Cirúrgica de Espermatozoides
  • Autoconservação de Esperma

Equipa:

  • Dra. Isabel Simões Reis, Diretor de Serviço
  • Téc. Sandra Ramos, Técnico Coordenador
  • Dra. Fátima Candoso, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 736 796
Email: cirma@hgo.min-saude.pt | secretariado.cirma@hgo.min-saude.pt

Cirurgia Pediátrica

A atividade assistencial do Serviço distribui-se pelas seguintes áreas:

  • Consulta Externa;
  • Internamento;
  • Urgência (interna e externa);
  • Bloco Operatório;
  • Hospital de Dia.

O Serviço desenvolve ainda atividade ao nível da formação de internos, da participação e apresentação de trabalhos em reuniões científicas e da formação de enfermagem.

O Serviço de Cirurgia Pediátrica disponibiliza as seguintes consultas:

  • Consulta de Pós-operatório;
  • Consulta de seguimento.

Ambas as consultas são efetuadas por especialistas do Serviço, que são também responsáveis pela triagem e marcação dos pedidos de primeira consulta.

Equipa:

  • Dra. Isabel Vieira, Diretor de Serviço
  • Enf. Maria Clara Rocha, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Fátima Candoso, Administrador

 

Contactos:
Telefone: 212 727 129
Email: sec.pediatria@hgo.min-saude.pt

Ginecologia e Obstetrícia

 

Ginecologia-Obstetrícia é a especialidade médica que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças do sistema reprodutor feminino (ginecologia), bem como ao acompanhamento durante gestação, no parto e pós-parto (obstetrícia).

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade da Ginecologia-Obstetrícia?

  • Internamento de Ginecologia, que responde ao plano cirúrgico e serviço de urgência;
  • Internamento de medicina materno-fetal;
  • Internamento de puerpério;
  • Consulta Externa;
  • Urgência Ginecológica-Obstétrica;
  • Bloco de Partos;
  • Bloco Operatório;
  • Urgência Ginecológica-Obstétrica;
  • Exames.

Para além da área assistencial, o Serviço desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada em medicina e enfermagem, através de diversas parcerias com unidades universitárias no ensino e na investigação.

O Serviço é constituído por um conjunto de profissionais diferenciados e dinâmicos cujo objetivo é a saúde da mulher, tendo ao seu dispor uma equipa que oferece a melhor qualidade técnica na avaliação e tratamento, com genuína vontade de ajudar.

O núcleo de interesse do Serviço é dirigido ao bem-estar da mulher no seu todo, assente numa abordagem sociofamiliar, considerando diferenças étnicas, culturais e religiosas.

  • Serviço de Referência para o Sul do País e Ilhas em Cuidados Peri-Natais Diferenciados;
  • Hospital Amigos dos Bebés acreditado pela UNICEF desde 2005;
  • Creditado pelo sistema CHKS, que garante a Qualidade e Excelência na prestação de serviços e a melhoria contínua dos processos de atuação.

O Serviço dispõe de urgência ginecológica-obstétrica em espaço físico próprio, com uma equipa de ginecologistas/obstetras, pediatras/neonatologistas, anestesistas e equipa de enfermagem disponíveis 24 horas por dia, apta a proporcionar uma experiência de nascimento e de parentalidade positiva.

O Serviço dispõe de um sistema de segurança para o recém-nascido rigoroso (Baby-match) e oferece ainda:

  • Cumprimento do Plano Nacional de Vacinação ao Recém-Nascido;
  • Rastreio Auditivo do Recém-nascido;
  • Registo Civil no âmbito do Projecto Nascer Cidadão;
  • Visitas guiadas à Maternidade do Hospital, satisfazendo dúvidas;
  • Respeito por Planos de Parto.

O Serviço de Ginecologia e Obstetrícia disponibiliza na área da Ginecologia as seguintes consultas:

  • Consulta de Ginecologia geral;
  • Consulta de Uroginecologia;
  • Consulta de Contracepção;
  • Consulta de Senologia;
  • Consulta de Menopausa;
  • Consultas de Obstetrícia diferenciadas e para todas as grávidas na fase de peri-parto;
  • Preparação para o Nascimento e Parentalidade;
  • Diagnóstico Pré-Natal de referência, com colaboração de geneticista;
  • Reprodução Medicamente Assistida – CIRMA;
  • Consulta de Puerpério Especial;
  • Consulta de Interrupção Voluntária da Gravidez.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

O Serviço de Ginecologia e Obstetrícia disponibiliza os seguintes exames:

  • Ecografia;
  • Colposcopia;
  • Histeroscopia;
  • Urodinâmica.

O acesso a estes exames destina-se apenas aos utentes com prescrição hospitalar, com origem no serviço de Urgência, Consulta Externa e Internamento. Não são realizados exames com prescrições do exterior.

 

Maternidade

A Maternidade do HGO realiza em média cerca de três mil partos por ano. O Bloco de Partos (BP) e o Serviço de Urgência Obstétrica e Ginecológica (SUOG) situam-se no piso 1 do edifício central e procuram prestar cuidados de saúde diferenciados à população feminina desde a abertura do Hospital.

Estes serviços são reconhecidos pela sua qualidade, uma vez que regem toda a sua prestação de cuidados à população tendo como princípio que todos têm direito de receber cuidados eficientes e de qualidade, dados sem discriminação de raça, nacionalidade religião ou situação socioeconómica, facilitando, assim, o acesso e a equidade na prestação de cuidados de saúde.

O HGO é hospital perinatal diferenciado e Hospital Amigo dos Bebés (UNICEF) desde 2005.

A Maternidade dispõe de:

  • Corpo clínico de obstetras, neonatologistas e anestesistas de competência e experiência reconhecidas;
  • Corpo de enfermagem especializado em cuidados à mulher, à grávida e ao recém-nascido;
  • Serviço de urgência obstétrica e ginecológica disponível 24 horas por dia, ao longo de todo o ano;
  • Bloco de partos dotado dos recursos físicos, humanos e tecnológicos;
  • Unidade de cuidados neonatais;
  • Sistema de segurança para recém-nascidos, através do sistema de pulseiras eletrónicas.

Toda a metodologia de trabalho tem como alicerces a humanização e satisfação das utentes/família:

  • Privacidade | Todo o trabalho de parto desenvolve-se em quartos individuais, exceto grávidas internadas no BP para vigilância. Todas as utentes que recorrem ao SUOG também são triadas e observadas em salas de observação individual, em que se respeita a confidencialidade e privacidade.
  • Conforto | Dispomos de todos os equipamentos necessários ao conforto das utentes. Todas as salas dispõem de aparelhagens de som, em que a utente pode levar música da sua preferência.
  • Segurança | O BP encontra-se equipado com cardiotocógrafos ligados a uma central de monitorização, permitindo a monitorização permanente do bem-estar materno-fetal sem intrusão na privacidade do casal. Dispõe de equipamento de monitorização por telemetria que permite a livre movimentação da gravida. O HGO possui também um sistema de pulseiras eletrónicas para Recém-nascidos.
  • Acompanhamento | É permitida, no BP, a presença de uma pessoa significativa no decurso do trabalho de parto à escolha da grávida. No SUOG também é permitida a visita de acompanhantes a utentes internadas no serviço de observação. Os acompanhantes devem cumprir escrupulosamente todas as orientações que lhes forem transmitidas pelos membros da equipa do BP e SUOG. No BP E SUOG os acompanhantes só podem circular nas zonas autorizadas.
  • Relação precoce mãe-pai-recém-nascido | No BP fomenta-se o contacto precoce pele a pele após o nascimento entre a mãe e o recém nascido, bem como a amamentação precoce nos primeiros 30 minutos de vida, com vista à promoção da vinculação entre mãe-recém-nascido.
  • Visitas | O HGO recebe periodicamente visitas de grupos de grávidas que realizam preparação para o parto nos Centros de Saúde da área de influência. Estes grupos são recebidos por um enfermeiro do serviço, que faz uma visita guiada às instalações físicas, explica o modo de funcionamento/ dinâmica do serviço e esclarece dúvidas colocadas. Se a sua gravidez não está a ser vigiada no centro de Saúde e pretende visitar o Bloco de Partos, pode contactar o serviço para agendar a visita.
  • Parto normal | Segundo a Organização Mundial da Saúde, entende-se por parto normal: parto de início espontâneo, de baixo risco no início, mantendo-se assim até ao nascimento. A criança nasce espontaneamente, em apresentação cefálica de vértice, entre as 37 e as 42 semanas completas de gravidez. Depois do parto, a mãe e o bebe apresentam-se em boa condição. Incorporamos na nossa prática de cuidados as recomendações da Organização Mundial de Saúde promotoras do parto normal.
  • Aleitamento Materno | No bloco de partos promove-se o contacto precoce e a amamentação na primeira meia hora de vida, de acordo com o desejo da mãe. Atua-se de forma a proteger, promover e apoiar o aleitamento materno através da informação e orientação das grávidas e mães.

 

O Bloco de Partos dispõe de quatro unidades individuais para parto, uma sala de dilatação para três camas, sala de cuidados imediatos ao Recém nascido, duas salas operatórias e uma sala de cuidados especiais com capacidade para duas camas.

São assegurados os cuidados clínicos a todas as utentes com gravidez, parto e puerpério de baixo, médio e alto risco.

Os blocos Operatórios destinam-se a responder a situações de urgência/emergência no bloco de Partos e cirurgias eletivas em gravidez e puerpério de risco.

A sala de cuidados especiais é destinada ao recobro anestésico e vigilância /tratamento de utentes com patologia na gravidez que exija vigilância hemodinâmica e tratamento intensivo.

Após o parto, as utentes permanecem cerca de duas horas no bloco de partos antes de serem transferidas para o serviço de Internamento (Puerpério) no 5.º piso.

 

Equipa:

  • Dr. Alcides Pereira, Diretor de Serviço
  • Dra. Ester Casal (Adjunta), Diretor de Serviço
  • Dra. Fátima Candoso, Administrador
  • Enf. Rosália Marques, Enfermeiro Chefe

 

Contactos:
Telefone: 212 727 109 | 212 726 735 | 212 727 238
Email: sec.ginecologia@hgo.min-saude.pt | secretariado.obstetricia@hgo.min-saude.pt

Pediatria

Pediatria é a especialidade médica que se dedica à assistência à criança e ao adolescente, nos seus diversos aspetos, sejam eles preventivos ou curativos.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Pediatria?

  • Internamento;
  • Consulta Externa;
  • Urgência;
  • Hospital de Dia.

Para além da área assistencial, o Serviço desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada e de investigação.

O Serviço de Pediatria disponibiliza as seguintes consultas:

  • Neuropediatria;
  • Neuropediatria / Convulsões;
  • Pediatria – Cardiologia;
  • Pediatria – Cinesiterapia;
  • Pediatria – Cirurgia;
  • Pediatria – Desenvolvimento;
  • Pediatria – Gastroenterologia;
  • Pediatria Geral;
  • Pediatria – Hematologia;
  • Pediatria – Nefrologia;
  • Pediatria – Neonatologia;
  • Pediatria – Otorrinolaringologia;
  • Pediatria – Pedopsiquiatria;
  • Pediatria – Pneumologia;
  • Pediatria Adolescentes.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

Equipa:

  • Dr. João Franco, Diretor de Serviço
  • Enf. Maria Clara Rocha, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Fátima Candoso, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 129
Email: sec.pediatria@hgo.min-saude.pt

Pedopsiquiatria

 

A Unidade de Psiquiatria da Infância e da Adolescência do HGO é constituída por uma equipa fixa multidisciplinar que integra Médicos Pedopsiquiatras, Psicólogos, Assistente Social e Educadora de Infância. Esta Unidade tem como objetivo o diagnóstico e tratamento das perturbações emocionais e comportamentais da criança e do adolescente (dos 0 aos 18 anos exclusive).

 

Como ter acesso a uma Consulta na Unidade?

O pedido terá sempre que chegar através de:

  • Médico Assistente (via eletrónica);
  • Urgência hospitalar;
  • Internamento hospitalar;
  • Outras consultas médicas.

 

Após a receção…

O pedido é analisado pelo médico triador que avaliará, com base na informação clínica recebida, a indicação para acompanhamento na Unidade.

Uma vez aceite o pedido, a data da marcação de consulta será definida em função da gravidade de cada situação, de acordo com aportaria nº 95/2013 de 4 de Março do Ministério da Saúde.

 

Se não existir indicação para seguimento na Unidade …

O pedido será devolvido à origem.

 

No dia da Consulta…

Deverá dirigir-se ao secretariado da Unidade para confirmar a presença e atualizar os dados administrativos.

 

No final da consulta…

Deverá dirigir-se novamente ao secretariado para:

  • Se proceder ao registo informático da data da próxima consulta;
  • Solicitar a declaração de presença, se necessário.

 

Horário de funcionamento:

Dias úteis, das 8h30 às 17h00

Equipa:

  • Dr. Pedro Pires, Coordenador
  • Dra. Fátima Candoso, Administrador

Contactos:

Telefone: 212 721 640

Morada: Rua Luis António Verney, Nº 35 1º Esqº | 2805-169 Cova da Piedade – Almada

Email: pedopsiquiatria@hgo.min-saude.pt

Urgência Ginecológica e Obstétrica

O Serviço de Urgência Obstétrica e Ginecológica (SUOG) situa-se no piso 1 do edifício central e presta cuidados de saúde diferenciados à população feminina da área de influência do Hospital.

 

Privacidade

Todas as utentes que recorrem ao SUOG são triadas e observadas em salas de observação individual, em que se respeita a confidencialidade e privacidade.

 

Acompanhamento

É permitida a visita de acompanhantes a utentes internadas no serviço de observação. Os acompanhantes devem cumprir escrupulosamente todas as orientações que lhes forem transmitidas pelos membros da equipa do SUOG. No SUOG os acompanhantes só podem circular nas zonas autorizadas.

Contactos:
Telefone: 212 727 238
Email: secretariado.urgobst@hgo.min-saude.pt

Urgência Pediátrica

Cardiologia

Cardiologia é a especialidade médica que se dedica ao diagnóstico e tratamento das doenças do coração e de todo o sistema cardiovascular.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Cardiologia?

  • Internamento;
  • Consultas Externas;
  • Urgência;
  • Exames.

Para além da área assistencial, o Serviço desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada e de investigação.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

O Serviço de Cardiologia disponibiliza as seguintes consultas:

  • Arritmologia de Intervenção;
  • Cardiologia Anticoagulação;
  • Cardiologia de Intervenção;
  • Cardiologia Médica;
  • Cardiomiopatias;
  • Cardiopatias Congénitas (adulto/adolescente);
  • Hipertensão – Cardiologia;
  • Insuficiência Cardíaca;
  • Intervenção Cardiovascular;
  • Pacemakers;
  • Patologia Valvular e Próteses Cardíacas;
  • Portadores Cardioversor-Desfibrilhador.

O Serviço efetua ainda consultadoria de Cardiologia nos Centros de Saúde da área de influência do HGO, ajudando os especialistas de Medicina Geral e Familiar na tomada de decisão diagnóstica e orientação terapêutica dos doentes.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

 

Equipa:

  • Dr. Hélder Pereira, Diretor de Serviço
  • Enfa. Ana Paula Almeida, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Vanessa Rodrigues, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 168
Email: secretariado.cardiologia@hgo.min-saude.pt

Dermatologia e Venerologia

Dermato-Venerologia é a especialidade médico-cirúrgica que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças da pele, mucosas e anexos (cabelos e unhas), bem como das doenças de transmissão sexual.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Dermato-Venerologia

  • Consulta externa geral e consultas especializadas;
  • Exames de diagnóstico e técnicas terapêuticas;
  • Cirurgia dermatológica diferenciada;
  • Internamento;
  • Apoio ao serviço de urgência.

O serviço cobre a maioria das valências dermatológicas, recebendo apoio de outros serviços do Hospital, mas afirma-se especialmente nas áreas da cirurgia e oncologia dermatológica, nomeadamente na área da cirurgia oncológica periocular, melanoma maligno, dermatopatologia e alergologia cutânea.

O Serviço desenvolve ainda atividades formadoras, mantendo um programa de educação médica contínua pós-graduada para os seus médicos e internos de outras especialidades, em especial Medicina Geral e Familiar.

O Serviço pretende afirmar-se no panorama nacional como serviço de referência. Constituem valores do Serviço:

  • A cultura de prestação de serviço público;
  • O respeito do doente como pessoa;
  • A qualidade na prestação do serviço;
  • A regência por padrões éticos no exercício da atividade;
  • A eficiência na utilização dos recursos disponíveis.

A atividade do Serviço de Dermato-Venereologia desenvolve-se, essencialmente, no ambulatório, quer no âmbito das consultas, quer dos exames disponibilizados, quer ainda na cirurgia de ambulatório.

 

O Serviço disponibiliza as seguintes consultas geral e diferenciadas:

  • Dermatologia Geral;
  • Dermatologia Oncológica;
  • Dermatologia Pediátrica;
  • Alergologia Cutânea e Dermatoses Profissionais;
  • Consulta de seguimento de Melanoma Maligno;
  • Fotodermatologia;
  • Teledermatologia;
  • Lesões pigmentadas;
  • IST e Dermatologia Genital.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

O Serviço de Dermato-Venereologia disponibiliza os seguintes exames e técnicas diagnósticas:

  • Testes de alergologia cutânea;
  • Dermatopatologia;
  • Cirurgia dermatológica nas várias vertentes:
  • Cirurgia clássica;
  • Criocirurgia e crioterapia;
  • Electroterapia;
  • Laserterapia;
  • Fototerapia e testes fotodiagnósticos;
  • Terapia fotodinâmica;
  • Microscopia de epiluminescência digital.

O Serviço efetua também cirurgia dermatológica diferenciada, para tal utilizando diversos tempos semanais da Unidade de Cirurgia de Ambulatório.

O acesso a estes exames destina-se apenas aos utentes com prescrição hospitalar, com origem nos serviços de Urgência, Consulta Externa e Internamento. Não são realizados exames com prescrições do exterior.

Equipa:

  • Dr. João Alves, Diretor de Serviço
  • Dra. Margarida Bentes Oliveira, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 722 141
Email: secretariado.dermatologia@hgo.min-saude.pt

Dor

O Centro Multidisciplinar Dor (CMD) Beatriz Craveiro Lopes (BCL) do Hospital Garcia de Orta (HGO) presta serviços e atos clínicos diferenciados a doentes de todos os grupos etários referenciados e portadores de dor crónica (oncológica e não oncológica), tendo como referência a população da área de influência do Hospital.

 

São objetivos do CMDBCL:

  • Estabelecer diagnóstico, terapêutica e prognóstico no âmbito da Medicina da Dor;
  • Elaborar história clínica da dor, incluindo a dor primária e as dores secundárias, início e possíveis causas;
  • Investigar e interpretar tratamentos prévios, respostas a esses tratamentos e aos tratamentos atuais;
  • Avaliar a patologia associada,
  • Avaliar a medicação instituída, passada e presente;
  • Realizar exame físico geral e álgico em particular;
  • Avaliar respostas comportamentais ao exame físico;
  • Avaliar o risco/ benefício da medicação a instituir e eventuais interações medicamentosas;
  • Realização de procedimentos farmacológicos e não farmacológicos, invasivos e não invasivos, caso seja necessário;
  • Avaliação psicológica;
  • Ensino aos doentes e acompanhantes, sobre gestão do regime terapêutico.

 

Quais os cuidados de saúde prestados pela do CMDBCL?

  • Consultas;
  • Tratamentos invasivos e não invasivos farmacológicos e não farmacológicos.

 

O CMDBCL disponibiliza as seguintes consultas:

  • Consulta Externa – Diária;
  • Consulta Multidisciplinar com Oncologia – Bimensal;
  • Consulta Multidisciplinar com Neurologia – Mensal;
  • Consulta Psicologia – Diária;
  • Consulta Telefónica – Diária;
  • Hospital Dia de Medicina Dor – Diária;
  • Consulta Dietética – Bimensal;
  • Mesoterapia Semanal;
  • Técnicas de Relaxamento – Diária;
  • Reiki – Bisemanal;
  • Psicoterapia de grupo – Semanal;
  • Musicoterapia – Semanal;
  • Acupuntura – Bisemanal

 

A preparação das consultas multidisciplinares é realizada na última semana de cada mês com base nos doentes selecionados pela equipa médica ou de enfermagem.

 

A acessibilidade é exclusivamente por referenciação médica por:

  • Medicina Geral – Rede pública e privada;
  • Medicina Hospitalar – Rede pública (HGO ou outro hospital) e privada;
    Seguradoras

 

Critérios de referenciação doentes ambulatório:

  • Doente portador de síndrome doloroso que foi adequadamente avaliado, e, com dor refratária a tratamentos convencionais;
  • Significativa disrupção das atividades de vida diária por causa da dor;
  • Doente que necessite de diagnóstico quanto ao provável síndrome doloroso;
  • Perturbações de comportamento em doentes com dor crónica e com fraco “coping”;
  • Doentes devem ser portadores de exames complementares de diagnóstico realizados para esclarecimento da etiologia da dor, e dos fármacos já prescritos para controlo da dor.

 

No CMDBCL realizam-se os seguintes tratamentos invasivos e não invasivos farmacológicos e não farmacológicos:

  • Bloqueio de Nervos Periféricos;
  • Bloqueios Epidurais;
  • Infiltrações pontos dolorosos;
  • Diatermia;
  • Psicoterapias;
  • Mesoterapia;
  • Reiki;
  • Acunputura

Estes procedimentos são indicados após consulta médica tendo em conta a situação clínica do doente.

 

Equipa:

  • Dra. Alexandra Fátima Gonçalves Reis, Diretor de Serviço
  • Enf. Madalena Mela, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Margarida Bentes Oliveira, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 726 815
Email: medicos.dor@hgo.min-saude.pt

Endocrinologia

Endocrinologia é a especialidade médica que se dedica ao diagnóstico e tratamento das perturbações do funcionamento do sistema endócrino.

O Serviço de Endocrinologia do HGO tem como missão prestar cuidados clínicos à pessoa com doença endócrina e promover o acesso aos melhores métodos de diagnóstico e tratamento na maioria das áreas da endocrinologia.

O Serviço presta cuidados no âmbito da consulta externa e do internamento que estão em concordância com os praticados nos melhores centros mundiais. A ligação dos especialistas do Serviço aos cuidados pediátricos e à obstetrícia assegura também um serviço de elevada qualidade a grávidas e doentes mais jovens.

A formação pós-graduada é também um dos compromissos fundamentais do Serviço. Para além dos Internos da Especialidade de Endocrinologia, o Serviço tem sempre em formação, um ou dois Internos de Medicina Geral e Familiar (MGF) da zona de influência do Hospital e de Medicina Interna.

As áreas mais distintivas do Serviço incluem:

  • Consultadoria nas USF e UCSP da área de influência do Hospital;
  • O Serviço tem destacado para cada Unidade de Saúde um médico especialista, que aí se desloca mensalmente. O objetivo destas reuniões é efetuar uma triagem eficaz dos casos clínicos apresentados pelos colegas de MGF; deste modo, consegue-se diminuir o tempo de espera de consulta e avaliar os casos de acordo com a gravidade clínica;
  • Programa de tratamento do hipertiroidismo com iodo radioativo, em articulação com o Serviço de Medicina Nuclear;
  • Realização de citologia ecoguiada da tiróide;
  • Consulta de Oncologia Tiroideia;
  • Consulta de Diabetologia/Grávidas;
  • Consulta de Endocrinologia Pediátrica;
  • Centro de tratamento de perfusão subcutânea de insulina na idade adulta e em idade pediátrica;
  • Serviço de referência no tratamento de doenças hipotâlamo-hipofisárias tais como tumores hipofisários, prolactinomas, acromegália e doença de Cushing;

Estreita ligação ao CIRMA (Centro de Infertilidade e Reprodução Medicamente Assistida) na avaliação endócrina dos doentes com distúrbios da fertilidade.

O Serviço de Endocrinologia disponibiliza as seguintes consultas:

  • Endocrinologia Geral;
  • Diabetologia;
  • Diabetologia Grávidas;
  • Diabetologia Pediátrica;
  • Endocrinologia Pediátrica;
  • Hipertiroidismo;
  • Oncologia Tiroideia;
  • Bombas Infusoras de Insulina / MCGS;
  • Endocrinologia / Apoio à Fertilidade.

O Serviço efetua ainda consultadoria de Endocrinologia nos Centros de Saúde da área de influência do HGO, ajudando os especialistas de Medicina Geral e Familiar na tomada de decisão diagnóstica e orientação terapêutica dos doentes.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

O Serviço de Endocrinologia disponibiliza os seguintes exames e tratamentos:

  • Citologia Aspirativa Ecoguiada com Agulha Fina da Tiroide;
  • Tratamento do hipertiroidismo com iodo radioativo;
  • Monitorização contínua da glicose subcutânea;
  • Provas dinâmicas de endocrinologia nos adultos e em idade pediátrica

O acesso a estes exames destina-se apenas aos utentes com prescrição hospitalar, com origem nos serviços de Urgência, Consulta Externa e Internamento. Não são realizados exames com prescrições do exterior.

 

Equipa:

  • Dr. Jorge Portugal, Diretor de Serviço
  • Dra. Margarida Bentes de Oliveira, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 726 798
Email: secretariado.endocrinologia@hgo.min-saude.pt

Gastrenterologia

Gastrenterologia é a especialidade médica que se dedica ao diagnóstico e tratamento das doenças do fígado e do sistema digestivo. Atua na vertente clínica e endoscópica, em colaboração próxima com outras Especialidades (Anatomia Patológica, Patologia Clínica, Imagiologia, Cirurgia, Oncologia, Nutrição) e executa técnicas diferenciadas de diagnóstico e terapêutica. Algumas áreas de atuação do Serviço encontram-se organizadas em Unidades Funcionais para otimização de recursos e para aproveitamento da diferenciação dos profissionais que as integram. O Serviço de Gastrenterologia tem capacidade formativa de Internos do Internato Complementar e colabora no ensino pré-graduado de alunos de Medicina. Recebe Internos de Gastrenterologia e Especialistas de outros Hospitais em estágios formativos em áreas específicas. Tem projetos de investigação próprios e colabora em projetos de investigação multicêntricos propostos por sociedades científicas. Participa também em ensaios clínicos propostos por companhias farmacêuticas.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Gastrenterologia

  • Internamento: A atividade do Serviço de Gastrenterologia centra-se no Internamento que é efetuado na enfermaria partilhada de Gastrenterologia, Nefrologia e Reumatologia situada no 3º piso do Hospital Garcia de Orta. Uma importante parte dos internamentos provém do Serviço de Urgência, mas os doentes podem ser diretamente internados a partir da Consulta Externa.
  • Consulta Externa: para além da Consulta de Gastrenterologia, há diferentes consultas diferenciadas para grupos específicos de doentes. O acesso à Consulta Externa de Gastrenterologia é feito eletronicamente por referenciação intra-hospitalar (de doentes internados ou de doentes de outras consultas hospitalares); os doentes oriundos dos Centros de Saúde são sempre referenciados por via eletrónica através programa Consulta a Tempo e Horas.
  • Urgência: o apoio a situações de urgência gastrenterológica interna e externa é realizado por uma equipa que inclui uma enfermeira com diferenciação em Endoscopia Digestiva, um Assistente Operacional e um Gastrenterologista que está escalado em presença física das 12:00 ás 24:00 todos os dias do ano. Para situações excecionais que possam justificar transferência para outros Hospitais há a possibilidade de contactar um gastrenterologista fora do período acima referido.
  • Exames complementares. Realizam-se no Bloco de Exames Especiais (3º Piso do Hospital Garcia de Orta) diversos exames endoscópicos diagnósticos e terapêuticos (Endoscopias digestivas altas, Colonoscopias, Enteroscopias porvideocápsula, Exames proctológicos). Pela necessidade de apoio imagiológico são realizadas no Serviço de Imagiologia (Piso 1) as ultrassonografias endoscópicase as colangiopancreatografias retógradas endoscópicas (CPRE) bem como as técnicas de dilatações endoscópicas e colocação de próteses digestivas.
  • Hospital de Dia: O Hospital de Dia de Gastrenterologia funciona no Piso 3, junto á Enfermaria, e é utilizado para administração de terapêuticas endovenosas a doentes ambulatórios e para ensino de auto-administração de terapêuticas injectáveis fornecidas pelo Hospital Garcia de Orta a doentes ambulatórios. No caso específico de administração de tratamentos biológicos, estes são realizados no Hospital de Dia do Serviço de Reumatologia (Piso 6)

O Serviço desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada, dispondo de idoneidade formativa para a realização do Internato Complementar de Gastrenterologia.

O Serviço de Gastrenterologia inclui algumas Unidades Funcionais em áreas específicas.

 

Grupo de Estudo de Nutrição Entérica (GENE)

O Grupo de Estudos de Nutrição Entérica do Hospital Garcia de Orta (GENE-HGO)congrega um grupo de profissionais de Saúde, provenientes de diferentes áreas deformação científica/técnica, envolvidos no apoio a doentes alimentados por diferentes formas de nutrição artificial, sobretudo entérica por gastrostomia/jejunostomia, mas também nutrição parentérica ou nutrição oral com produtos artificiais. Desenvolve a sua atividade em três vertentes:

  1. Clínica: aos doentes internados e, também, a doentes ambulatórios, através de 500 Consultas de Nutrição Artificial anuais. São seguidos permanentemente mais de 150 doentes, incluindo mais de 80 novas gastrostostomias ou jejunostomias por ano, a maioria endoscópicas mas também cirúrgicas. São seguidos também doentes sob nutrição parentérica domiciliária e doentes disfágicos necessitando nutrição adaptada e suplementada.
  2. Formação: incluindo estágios pré-graduados de alunos da área da nutrição, estágios profissionais para alunos graduados e projetos de Mestrado (5 em 2013) e Doutoramento (1 em 2013).Colaboração com instituições académicas e profissionais em programas formativos estruturados. Organização regular de Pós-graduações em Nutrição Entérica e Parentérica.
  3. Investigação: apresentação regular dos resultados dos projetos de investigação clínica. Em 2013 foram apresentadas 4 comunicações em reuniões internacionais, 10 em reuniões nacionais e foram publicados 10 artigos científicos ou capítulos de livros (6 em revistas internacionais).

 

Núcleo de Estudo e Tratamento de Crohn e Colite (NETCCo)

Atividades: Consulta de Doença Inflamatória Intestinal, apoio ao Hospital de Dia no tratamento com fármacos biológicos,apoio a doentes internados com Doença Inflamatória Intestinal, reuniões periódicas para discussão clínica ou elaboração de protocolos, participação em estudos de iniciativa de organizações nacionais (GEDII) ou Internacionais (EC-IBD,ECCO), consultoria científica na Associação Portuguesa dos Doentes de Doença Inflamatória Intestinal (APDII),elaboração de normas e orientações para os doentes.

 

Unidade de Ultrassonografia Endoscópica

Com intensa atividade na área da ecoendoscopia desde 2007, realizou mais de 500 exames em 2013, tornando nesta área o Serviço de Gastrenterologia um polo de referencia no Sul do País. Recebe Internos de Gastrenterologia e Especialistas em treino, em estágios programados, e colabora na realização de exames a doentes de unidades de saúde da Grande Lisboa e do Sul do País.

 

Grupo de Risco Oncológico em Gastrenterologia

A Consulta de Risco Oncológico existe nos presentes moldes desde 2007.Recebe indivíduos da área do Hospital Garcia de Orta referenciados pelo Médico de Família, por Cirurgiões Gerais ou Gastrenterologistas. São sobretudo referenciados indivíduos com história pessoal e/ou familiar de polipose cólica ou cancro do cólon e reto (CCR). Sabe-se que o risco de CCR em familiares em 1º grau de doentes que o tenham desenvolvido depende do número de casos de CCR na família e da idade em que estes foram diagnosticados.

Partindo deste conceito, na consulta procede-se à estratificação do risco de CCR dos familiares em 1º grau desses doentes e sugere-se um programa de vigilância. O exame de vigilância proposto é a colonoscopia, durante a qual poderão ser detetados e removidos pólipos adenomatosos, lesões que podem vir a evoluir para CCR. A idade de início da vigilância e o intervalo da mesma são decididos em função do risco atribuído. Caso haja indicação, procede-se a aconselhamento genético, com vista ao diagnóstico e orientação de síndromas hereditários, os quais justificam uma vigilância específica.

Atualmente estão registadas na Consulta de Risco Oncológico 340 famílias, das quais 99 com síndromas hereditários conhecidos e 179 com agregação familiar de CCR.

O Serviço de Gastrenterologia disponibiliza as seguintes Consultas Externas em períodos de duas horas e meia cada:

  • Gastrenterologia – Doze períodos por semana
  • Doença Inflamatória Intestinal – Dois períodos por semana
  • Hepatologia – Três períodos por semana
  • Nutrição Artificial – Dois períodos por semana
  • Risco Oncológico – Um período por semana
  • Proctologia Terapêutica – Um período por semana
  • Consulta de Decisão Oncológica (em colaboração com outras Especialidades) um período por semana próximo do Bloco de Exames Especiais

As Consultas Externas têm lugar no Piso 1 do Hospital Garcia de Orta, Consultas Externas, exceto as de Nutrição Artificial e de Proctologia Terapêutica que, pela habitual necessidade de instrumentação endoscópica, têm lugar no Piso 3.

O Serviço de Gastrenterologia providencia também Consultas Internas aos doentes internados, e as Consultas prévias à administração de tratamentos biológicos no Hospital de Dia.

 

Equipa:

  • Dr. Jorge Fonseca, Diretor de Serviço
  • Enf. Adelaide Martins, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Umbelina Santos, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 125
Email: secretariado.gastronefro@hgo.min-saude.pt

Hemato-Oncologia

Hematologia Clínica é a especialidade médica que se dedica ao diagnóstico e tratamento das doenças do sangue e dos órgãos que intervêm na sua formação.

A Oncologia Médica é a especialidade médica que diagnostica e trata todo o tipo de tumores malignos e que se relaciona por isso com as restantes especialidades médico-cirúrgicas e Radioterapia numa estratégia de complementaridade entre si.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Hemato-Oncologia?

  • Internamento;
  • Hospital de Dia
  • Consulta Externa;
  • Apoio a doentes internados;
  • Urgência (interna e externa);
  • Consultas multidisciplinares;
  • Exames.

Para além da área assistencial, o Serviço desenvolve a sua atividade científica através da participação ativa em congressos nacionais e internacionais, na formação pré e pós-graduada e de investigação, assim como na colaboração em ensaios clínicos e epidemiológicos.

O Serviço de Hemato-Oncologia tem como missão prestar cuidados na área da Oncologia a todos os doentes com esta patologia da área de influência do HGO, pautando-se pelo que são consideradas as boas práticas atuais com o intuito permanente da excelência de cuidados.

O Serviço de Hemato-Oncologia disponibiliza as seguintes consultas:

  • Hematologia;
  • Oncologia Médica.

As consultas de Hemato-Oncologia são diárias e distribuem-se por todos os dias da semana entre as 08:00 e as 20:00.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

O Serviço de Hemato-Oncologia realiza os seguintes exames, requesitados internamente no próprio Serviço:

  • Mielogramas;
  • Biópsias ósseas.

O acesso a estes exames destina-se apenas a utentes com prescrição hospitalar, com origem nos serviços de Urgência, Consulta Externa e Internamento. Não são realizados exames com prescrições do exterior.

 

Equipa:

  • Dr. Hélder Mansinho, Diretor de Serviço
  • Dra. Margarida Bentes Oliveira, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 726 798
Email: secretariado.oncologia@hgo.min-saude.pt

Hospitalização Domiciliária

A Unidade de Hospitalização Domiciliária (UHD) do Hospital Garcia de Orta (HGO) iniciou funcionamento no dia 16 de novembro de 2015.

No contexto da pressão crescente colocada sobre a necessidade de mais e melhor desempenho dos cuidados hospitalares e simultaneamente da maximização da eficiência na utilização dos escassos meios disponíveis, a hospitalização domiciliária surge como uma resposta que pretende conjugar estes objetivos e ainda o aumento do bem-estar dos doentes e suas famílias.

A organização da prestação de cuidados de saúde através da Hospitalização Domiciliária (HD) surge no contexto de outras formas de organização da prestação de cuidados hospitalares, como sejam os Hospitais de Dia, a Consulta a Tempo e Horas (CTH), os Cuidados Continuados, a Rede Nacional de Cuidados Continuados (RNCCI) incluindo a Equipa de Gestão de Altas (EGA) e a Equipa de Cuidados Paliativos (EIHSCP), a Telemedicina e a Cirurgia do Ambulatório que inovam sobretudo na organização e na forma de disponibilização do acesso aos cuidados, simplificando e ajustando ás reais necessidades de cuidados.

O HGO vem inovando em diversos destes contextos, tendo já em 2004 disponibilizado, a Unidade Funcional de Cuidados Continuados (UFCC) prestando cuidados diferenciados de enfermagem ao doente no seu domicilio, permitindo antecipar a alta hospitalar, a melhoria do bem-estar e segurança e promovendo a continuidade de cuidados com os Cuidados de Saúde Primários (CSP).

Alicerçado nesta experiência consolidada o HGO avançou em Novembro de 2015 com um novo serviço, a Unidade de Hospitalização Domiciliária, perspetivando a disponibilização de cuidados clínicos centrados nas necessidades do doente, humanizados, minimizando as complicações inerentes à hospitalização convencional, em concordância com a sua missão, “contribuir para o melhor nível possível de saúde e bem-estar dos indivíduos que necessitem de cuidados hospitalares”, oferecendo-lhes um serviço de qualidade sempre que a permanência no hospital seja prescindível e que o doente prefira e tenha condições de acesso.

Os 5 princípios essenciais do projeto de Hospitalização Domiciliaria do HGO são:

  1. Igualdade de direitos e deveres do doente
  2. Equivalência de qualidade na prestação de cuidados
  3. Voluntariado na aceitação do modelo
  4. Humanização de serviços e valorização do papel da família
  5. Rigor na admissão de doentes e no seu seguimento clínico

Equipa:

  • Dra. Maria Francisca Delerue, Diretor de Serviço
  • Dra. Rita Nortadas Pereira, coordenador médico
  • Enf. Sérgio Sebastião, coordenador de enfermagem
  • Dr. Arménio Neves, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 100
Email: hosp.domiciliaria@hgo.min-saude.pt

Infeciologia

Infeciologia é a especialidade médica que se dedica ao diagnóstico e tratamento das doenças infeciosas (causadas por microrganismos como vírus, bactérias, fungos, entre outros).

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Infeciologia?

  • Consulta Externa
  • Consulta do Viajante
  • Internamento
  • Hospital de Dia

O Serviço desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada, dispondo de idoneidade formativa para a realização do Internato Complementar de Infeciologia.

O Serviço de Infeciologia disponibiliza as seguintes consultas:

  • Infeciologia geral;
  • Infecciologia associada a imunossupressão por VIH;
  • Medicina do Viajante:
    • Centro de Vacinação Internacional Nº 7 da Região de Lisboa e Vale do Tejo
    • Consultas: Quinta-feira das 13H00 às 17H00 e Sexta-feira das 13H00 às 20H00
    • Vacinação: Terça e Quinta-feira das 13H00 às 17H00 e Sexta-feira das 13H00 às 20H00
    • Documentos necessários: Cartão do Cidadão ou Bilhete de Identidade e documento com o número do utente, Boletim Individual de Saúde / Vacinas e Certificado Internacional de Vacinações (se já o tiver).

Consultas e Vacinação, com marcação prévia, através do email consulta.viajante@hgo.min-saude.pt ou pelos telefones 212 726 808 / 212 727 240 ou 212 727 163 (entre as 14H00 e as 16H30) ou do telemóvel 924 471 860.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

Equipa:

  • Enf. Mª Albertina Gonçalves, Enfermeiro Chefe
  • Dr. Arménio Neves, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 163
Email: secretariado.espmedicas@hgo.min-saude.pt

Medicina Interna

Medicina Interna é a especialidade médica que se dedica à prevenção, diagnóstico e orientação da terapêutica não cirúrgica das doenças ou das afeções multisistémicas dos adolescentes, adultos e idosos.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Medicina?

  • Internamento;
  • Urgência Geral;
  • Urgência Interna;
  • Consulta Externa;
  • Assistência a doentes internados noutros serviços do Hospital;
  • Hospital de Dia.

Para além da área assistencial, o Serviço de Medicina desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada e de investigação clínica.

O Serviço tem como missão a prestação de cuidados de saúde, no âmbito da especialidade de Medicina Interna, aos utentes do Serviço Nacional de Saúde, da área de influencia do Hospital Garcia de Orta, em consonância com o plano estratégico do Hospital.

O Serviço desenvolve a sua missão perseguindo objetivos de excelência, procurando envolver toda a equipe prestadora de cuidados numa dinâmica comum, convergente na qualidade assistencial.

Ciente da necessidade de cultivar valores centrados na pessoa doente, constituem preocupações premente do Serviço a qualidade do atendimento, as questões éticas a acessibilidade.

Internamento
O Serviço de Medicina tem uma lotação efetiva de 68 camas, distribuídas por três áreas distintas, que se convencionou designar por Medicina I, Medicina II e Medicina III. Quatro camas do espaço de Medicina I estão afetas exclusivamente a cuidados intermédios – UMD.

Estão incluídas no espaço físico da área de Medicina II, as seis camas do Serviço de Dermatologia que são ocupadas por doentes de Medicina quando não há necessidade de internamento de doentes daquela especialidade.

No espaço físico da Medicina III, encontra-se também o Serviço de Infeciologia com 10 camas, incluindo duas camas de isolamento. Estas camas frequentemente são ocupadas com doentes de Medicina, quando se encontram vagas.

 

Urgência Geral
A prestação de Serviço de urgência é aceite como um paradigma da especialidade de Medicina Interna, quer na vertente assistencial quer na perspetiva formativa. Os elementos do Serviço de Medicina representam cerca de 20% do total do staff que presta serviço semanal na urgência, quer como chefes de equipe quer como elementos integrantes da equipe.

Consulta Externa
A Consulta Externa é realizada por todos os médicos do Serviço, sendo asseguradas, para além da consulta de Medicina, as consultas de Medicina/Diabetes, Medicina/Hipertensão Arterial, Anti coagulação, Medicina/ Dislipidemias, Medicina/Insuficiência cardíaca, Medicina/hemóstase. Dois médicos Assistentes hospitalares graduados do Serviço de Medicina realizam consulta de infeciologia (doentes com infeção por VIH).

Trata-se de uma oferta importante, sob o posto de vista qualitativo e quantitativo, que permite a continuidade de acompanhamento dos doentes no pós-alta, contribuindo assim para o descongestionamento do internamento.

Urgência Interna
A escala de urgência interna destina-se a apoio assistencial aos doentes internados eletivamente na área médica, respondendo também, e não raramente, a solicitações de outras especialidades médicas e cirúrgicas. Esta escala assegura assim a resolução de situações de emergência fora do horário de trabalho regular.

É também importante o apoio dado aos doente internados na Unidade de Cuidados Intermédios (localizada no S. Medicina I – UMD), que requerem monitorização continua e acompanhamento médico permanente.

Assistência a doentes de outros serviços
Trata-se de uma atividade assistencial, tanto eletiva como de urgência, dirigida a doentes internados nos diversos serviços do hospital, principalmente cirúrgicos, efetuada a pedido dos respetivos Serviços, por escala pré-definida pelo serviço de Medicina.

Hospital de Dia
No Hospital de Dia são observados diariamente vários doentes em regime de ambulatório, quer para realização de consulta ou para realização de exames nomeadamente determinação de INR, mielograma, biopsia óssea, paracentese, colheita de sangue para análises. Também pode ser administrada terapêutica como ferro endovenoso ou transfusões de concentrado eritrocitário. Este espaço é utilizado no sentido de se reduzir tempos de internamento e manter investigação clinica em ambulatório evitando o internamento e manter os doentes junto dos seus familiares.

Formação pré-graduada
O serviço de Medicina participa na formação de alunos da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa ( 3º, 4º, 6º anos), de acordo com protocolo estabelecido entre as duas instituições.

 

Formação pós-graduada
A formação de Internos do Internato Complementar de Medicina Interna e de outras Especialidades ( bem como do Ano Comum) é uma atividade de grande relevo no serviço de Medicina, como mais valia científica. O Serviço tem neste momento em formação 14 internos do internato complementar.

Formação de Enfermagem e Assistentes Operacionais
O Serviço participa na formação de alunos de enfermagem (básico e pós-básico) no âmbito das parcerias com as Escolas Superiores de Enfermagem e o HGO/Centro Garcia de Orta, sendo igualmente campo de estágio do curso de formação inicial para Assistentes Operacionais. A equipa de enfermagem integra um enfermeiro responsável pela formação em serviço, um elemento dinamizador pelo Controlo de Infeção e outro elemento dinamizador pela Gestão de Risco.

Investigação clínica
Participação em trabalhos de investigação, estudos multicêntricos (Peytho) e participação no Registo Internacional de doentes com TEP (Riete). O Serviço tem atualmente em curso o estudo GLORIA – AF, estudo observacional internacional, multicêntrico, prospetivo, para doentes com fibrilação auricular não valvular diagnosticada de novo (fase II/III)- dabigatrano na prevenção do AVC em doentes com fibrilação auricular.

O Serviço de Medicina Interna disponibiliza as seguintes consultas:

  • Dislipidemias;
  • Hipertensão Arterial;
  • Medicina – Anti coagulação;
  • Medicina Interna;
  • Medicina/Diabetes;
  • Medicina/Insuficiência Cardíaca;
  • Medicina/Trombose e Hemostase.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

Durante o ano de 2012 foram realizadas pelo Serviço de Medicina cerca de 12 mil consultas de Medicina.

 

Equipa:

  • Dra. Maria Francisca Delerue, Diretor de Serviço
  • Enf. Filomena Vinhas, Enfermeiro Chefe
  • Enf. Susana Graúdo, Enfermeiro Chefe
  • Dr. Arménio Neves, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 726 797
Email: secretariado.medicina@hgo.min-saude.pt

Nefrologia

Nefrologia é a especialidade médica que se dedica ao diagnóstico e tratamento das doenças do sistema urinário, em especial dos rins.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Nefrologia?

  • Internamento;
  • Consulta Externa;
  • Urgência;
  • Hospital de Dia.

Para além da área assistencial, o Serviço desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada e de investigação.

O Serviço de Nefrologia disponibiliza as seguintes consultas:

  • Diálise Peritoneal;
  • Nefrologia;
  • Pós-Transplante Renal;
  • Pré-Transplante Renal.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

Equipa:

  • Dr. Francisco Jorge Monteiro Oliveira Silva , Diretor de Serviço
  • Enf. Adelaide Martins, Enfermeiro Chefe
  • Enf. Mário Cavaleiro, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Margarida Bentes Oliveira, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 125
Email: secretariado.gastronefro@hgo.min-saude.pt

Neurologia

Neurologia é a especialidade médica que se dedica à prevenção, ao diagnóstico e tratamento das doenças do sistema nervoso.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Neurologia?

  • Consulta Externa;
  • Internamento;
  • Urgência (interna e externa);
  • Bloco Operatório;
  • Hospital de Dia;
  • Meios Complementares de Diagnóstico.

Para além da área assistencial, o Serviço desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada e de investigação.

O Serviço de Neurologia disponibiliza as seguintes consultas:

  • Doenças Neurológicas Crónicas;
  • Doenças do Movimento;
  • Doença Vascular Cerebral;
  • Epilepsia;
  • Esclerose Múltipla;
  • Neurologia;
  • Neurologia do Comportamento.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

 

Equipa:

  • Dr. Miguel Rodrigues, Diretor de Serviço
  • Enf. Elsa Pereira, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Susana Sampaio, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 148
Email: secretariado.neurologia@hgo.min-saude.pt

Pneumologia

Pneumologia é a especialidade médica que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças do sistema respiratório.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Pneumologia?

  • Internamento;
  • Exames;
  • Consulta Externa;
  • Urgência.

Para além da área assistencial, o Serviço desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada e de investigação.

O Serviço tem como missão prestar assistência pneumológica diferenciada e humanizada aos doentes com doenças respiratórias que recorrem ao Hospital.

Os seus Valores são a competência técnica e humana dos seus profissionais, associadas à prestação de cuidados respiratórios de qualidade aos doentes, no internamento ou no ambulatório.

O Serviço deve prestar uma assistência pneumológica moderna e atual no internamento ou em ambulatório e possui elevada diferenciação técnica na área da Pneumologia de Intervenção e nos Estudos da Função Respiratória.

 

Equipa:

  • Dr. José Duarte, Diretor de Serviço
  • Enf. Emília Pinheiro, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Margarida Bentes Oliveira, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 726 800
Email: secretariado.pneumologia@hgo.min-saude.pt

Psiquiatria

 

Psiquiatria é a especialidade médica que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento de problemas mentais, emocionais ou comportamentais.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental

  • Internamento;
  • Consulta Externa;
  • Urgência;
  • Exames periciais de Psiquiatria e Psicologia.

 

O Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental desenvolve ainda atividades de consultadoria a todos os centros de saúde da área de influência do HGO, bem como atividades de formação pré e pós-graduada e de investigação.

O Serviço tem como missão assegurar à população de ambos os sexos, com idades superiores a 17 anos e 364 dias, residente nos concelhos de Almada e Seixal:

  • Promoção da saúde mental;
  • Prevenção e o tratamento das doenças mentais;
  • Reabilitação e a reinserção social das pessoas com problemas de saúde mental

O Serviço iniciou as suas atividades em junho de 2007, vindo a substituir o Hospital Miguel Bombarda que tinha até essa altura a responsabilidade assistencial nos concelhos de Almada e Seixal. Tem capacidade para internar 25 doentes com patologia mental em fase aguda, em quartos equipados com duas camas em cada quarto.

 

Formação pré e pós graduada
O Serviço recebe alunos das Faculdades de Medicina da Universidade de Lisboa e da Universidade do Algarve para ensino pré graduado. Recebe ainda alunos de psicologia, enfermagem, terapia ocupacional e psicomotricidade para ensino pré graduado, bem como médicos internos do internato complementar de psiquiatria, médicos estagiários de MGF, e enfermeiros em estágios de especialização em saúde mental.

O Serviço tem também dado apoio a teses de Doutoramento e de Mestrado nas áreas da medicina, enfermagem e psicologia.

O Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental exerce as suas atividades em instalações próprias em Almada (internamento, consulta externa, urgência psiquiátrica, eletroconvusivoterapia, psiquiatria e psicologia de ligação, psiquiatria forense, intervenção domiciliária) e Seixal (consulta externa, área de dia e intervenção domiciliária).

 

Urgência
A Urgência de Psiquiatria é efetuada nos dias úteis das 09:00 às 21:00 na Urgência Geral do HGO.

No período noturno, das 21:00 às 09:00 e aos Sábados, Domingos e feriados com cobertura de 24 horas é realizada na Urgência Geral do Hospital Nª Sr.ª do Rosário – Barreiro (CHBM), conforme protocolo celebrado entre os três Hospitais da península de Setúbal.

Os doentes pertencentes área de intervenção do Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental do Hospital Garcia de Orta, internados no Serviço de Observação do HGO e no Hospital N.ª Sr.ª do Rosário são transferidos nos dias úteis para o Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental do HGO.

 

Unidade de Electroconvusivoterapia (ECT)
Destinada ao tratamento de patologia depressiva grave ou outra com indicação específica para ECT, segundo critérios bem definidos. A aplicação da técnica tem a intervenção de especialista em anestesia, psiquiatria e enfermeiro

 

Psiquiatria e Psicologia de Ligação
Observa os doentes internados em outros Serviços do HGO, que tenham solicitado a observação por Psiquiatria ou Psicologia. A equipe é constituída por um psiquiatra e 2 psicólogos.

 

Área de Dia
Desenvolve atividades de intervenção, reabilitação e acompanhamento terapêutico, com intervenção de médicos, enfermeiros, psicólogos e psicomotricista.

 

Psiquiatria Forense
Dá resposta aos tribunais na elaboração de perícias médico legais, intervindo os psiquiatras e psicólogos do Serviço.

 

Consultadoria
Faz a articulação com os cuidados de saúde primários para triagem e apoio no seguimento de doentes acompanhados nos Centros de Saúde. Está destacado um psiquiatra para o efeito que se reúne com os especialistas de MGF e presta ainda apoio através de contacto telefónico.

 

Intervenção Domiciliária
São realizadas intervenções domiciliárias em situações de crise com participação multiprofissional.

 

O Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental disponibiliza as seguintes consultas:

  • Psiquiatria Geral;
  • Psiquiatria Geriátrica;
  • Sexologia Clínica;
  • Psicologia Geral;
  • Terapia de Casal.

As consultas externas efetuam-se nos dias úteis, entre as 08:00 e as 16:00, e são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

 

Equipa:

  • Dra. Isabel Costa, Diretor de Serviço
  • Enf. Fernanda Escalda, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Alexandra Santos, Administrador

 

Contactos:
Telefone: 212 736 678 – Internamento | 212 736 677 – Consulta Externa
Email: secretariado.psiquiatria@hgo.min-saude.pt

Reumatologia

Reumatologia é a especialidade médica que se dedica ao tratamento das doenças reumáticas, incluindo o seu estudo, diagnóstico, investigação, prevenção e reabilitação.

As doenças reumáticas podem afetar para além do aparelho locomotor (ossos, articulações, músculos e tendões) outros órgãos como o coração, o rim, o pulmão, sistema nervoso, os olhos e a pele.

Artrite Reumatoide, Lúpus Eritematoso Sistémico, Artrite Psoriática, Espondilite Anquilosante, Esclerose Sistémica, Síndroma de Sjogren, Síndrome antifosfolípidico, Polimiosite-Dermatomiosite, Vasculites, Gota, Artrose, Osteoporose (e outras doenças ósseas), Tendinites e outras doenças periarticulares são alguns dos exemplos de doenças reumáticas.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Reumatologia?

  • Internamento;
  • Consulta Externa;
  • Urgência;
  • Hospital de Dia.

Para além da área assistencial, o Serviço desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada de profissionais de saúde, bem como investigação e realização de ensaios clínicos.

O Serviço de Reumatologia do HGO é o único serviço de Reumatologia em toda a zona sul do país, sendo por isso referência absoluta para um núcleo muito importante de portugueses.

O Serviço disponibiliza consultas especializadas de Reumatologia nas várias patologias reumatológicas, com especial incidência nas doenças reumáticas sistémicas.

Em valência de Hospital de Dia, o Serviço realiza consulta protocolada de avaliação de doentes sob terapêutica específicas.

O Serviço também estabelece elos de ligação com os profissionais de saúde, nomeadamente a nível dos cuidados de saúde primários, na sua área de influência bem como com as outras especialidades médicas do Hospital Garcia de Orta.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

O Serviço de Reumatologia disponibiliza os exames de diagnóstico e terapêutica:

  • Ecografia músculo-esquelética;
  • Microscopia ótica para o diagnóstico de doenças microcristalinas;
  • Capilaroscopia;
  • Técnicas diagnósticas e terapêuticas nomeadamente intra e periarticulares;
  • Biopsias da gordura abdominal, glândulas salivares minor e membrana sinovial.

O acesso a estes exames destina-se apenas aos utentes com prescrição hospitalar, com origem nos serviços de Urgência, Consulta Externa e Internamento. Não são realizados exames com prescrições do exterior.

Equipa:

  • Prof.ª Doutora Maria José Parreira dos Santos, Diretor de Serviço
  • Enf. Adelaide Martins, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Margarida Bentes Oliveira, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 375
Email: secretariado.reumatologia@hgo.min-saude.pt

Auditoria Clínica

A Comissão de Auditoria Clínica é o órgão do Hospital que, em articulação com o conselho de administração e os órgãos técnicos do Hospital, está encarregue da definição de estratégias e prioridades de auditoria clínica, assim como da implementação dos programas de auditoria assegurando a sua organização, planeamento e execução.

A auditoria clínica deve ter ligações ativas com outras áreas da governação clínica tais como ensino e a formação, a investigação, e a gestão de risco (incluindo as queixas reclamações) permitindo tanto a disseminação da informação obtida como o estabelecimento das prioridades.

Composta por oito membros, dos quais um é o coordenador, a Comissão tem por missão promover a melhoria contínua dos cuidados de saúde prestados no hospital.

A Comissão tem por competências:

  • Atuar como órgão consultivo do Conselho de Administração, elaborar pareceres, a seu pedido, ou por sua iniciativa, e colaborar na definição de políticas gerais nesta área;
  • Planear e executar auditorias clínicas;
  • Auditar programas de atividades de auditoria clínica no âmbito da qualidade e governação clínica elaborados por cada um dos Serviços Clínicos;
  • Divulgar toda a informação resultante de auditorias clínicas que sejam consideradas relevan-tes para os Serviços;
  • Elaborar recomendações para a melhoria das práticas clínicas;
  • Conhecer os relatórios de auditorias externas e de outras comissões de gestão clínica;
  • Elaborar relatório anual, reportando-o ao Conselho de Administração.

Consulte o Regulamento da Comissão de Auditoria Clínica.

Controlo de Infeção

O Grupo Coordenador Local – Programa de Prevenção e Controlo de Infeção e Resistência Antimicrobiana (GCL-PPCIRA) é um órgão de assessoria técnica de apoio à gestão. Tem um caráter técnico, executivo e multidisciplinar que deve ser representativo e ajustado à modalidade de gestão da instituição.

O Grupo é dotado de autoridade institucional e autonomia técnica, para implementar o Plano Operacional de Prevenção e Controlo de Infeção da Unidade de Saúde.

Compete ao Conselho de Administração, através do GCL-PPCIRA, cumprir as estratégias recomendadas no Programa Nacional de Controlo de Infeção designadamente:

  • Elaborar o Plano Operacional de Prevenção e Controlo de Infeção e implementar um sistema de avaliação das ações desenvolvidas;
  • Implementar políticas e procedimentos de prevenção e controlo de infeção e monitorizá-las através de auditorias periódicas. Proceder à revisão trienal das normas e sempre que surjam níveis de evidência que o justifiquem;
  • Conduzir a vigilância epidemiológica de acordo com os programas preconizados pelo Programa Nacional de Controlo de Infeção e as necessidades das Unidades de Saúde;
  • Investigar, controlar e notificar surtos de infeção, visando a sua efetiva prevenção;
  • Monitorizar os riscos de infeção associados a novas tecnologias, dispositivos, produtos e procedimentos;
  • Colaborar com o serviço de aprovisionamento na definição de características de material e equipamento clínico e não clínico com implicações no controlo e prevenção das Infeções Associadas aos Cuidados de Saúde;
  • Proceder, em articulação com os serviços de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho e de Gestão de Risco, à avaliação do risco biológico em cada serviço e desenvolver recomendações específicas, quando indicado;
  • Participar no planeamento e acompanhamento da execução de obras a fim de garantir a adequação à prevenção das Infeções Associadas aos Cuidados de Saúde;
  • Participar no desenvolvimento e monitorização de programas de formação, campanhas e outras ações e estratégias de sensibilização;
  • Participar e apoiar os programas de investigação relacionados com as Infeções Associadas aos Cuidados de Saúde, a nível nacional e internacional.

 

Consulte o Regulamento da Comissão de Controlo de Infeção do HGO

 

Contactos:

Telefone: 212 723 109

E-mail: gclppcira@hgo.min-saude.pt

Ética

A Comissão de Ética (CE) tem como missão zelar pela observância de padrões de ética no exercício das ciências da saúde no Hospital Garcia de Orta, de modo a proteger e garantir o respeito pela dignidade e integridade humanas, promovendo a reflexão sobre questões de natureza ética em função do melhor interesse do doente.

As suas principais competências são:

  • Zelar pela salvaguarda da dignidade e integridade humanas, nomeadamente, em questões relativas ao doente que se prendem com a prática médica;
  • Emitir, por sua iniciativa ou por solicitação, pareceres sobre questões éticas no domínio da atividade do Hospital;
  • Pronunciar-se sobre protocolos de investigação científica celebrados no âmbito do Hospital, nomeadamente, os que se refiram a ensaios de diagnóstico ou terapêutica e técnicas experimentais que envolvam seres humanos e seus produtos biológicos;
  • Pronunciar-se sobre a suspensão ou revogação da autorização para a realização de ensaios clínicos no HGO;
  • Promover no âmbito do Hospital a divulgação dos princípios gerais da bioética pelos meios julgados adequados, designadamente através de estudos, pareceres ou outros documentos;
  • No domínio dos ensaios clínicos com medicamentos de uso humano sem colidir com as competências próprias que, nos termos legais, estão atribuídas ao INFARMED e à Comissão de Ética para a Investigação Clínica (CEIC), cabe à CES pronunciar-se, por solicitação do Conselho de Administração do Hospital, sobre o pedido inicial para a realização do ensaio apresentado pelo promotor ao centro de ensaio Hospital Garcia de Orta.

Consulte o Regulamento da Comissão de Ética para a Saúde do HGO.

 

Equipa:

  • Presidente | Dra. Natália Dias – Serviço Bloco Operatório

 

Farmácia e Terapêutica

A Comissão de Farmácia e Terapêutica é um órgão consultivo e de integração entre os serviços de prestação de cuidados e o Serviço de Farmácia, com competências para:

  • Velar pelo cumprimento do formulário e suas adendas;
  • Pronunciar-se, dentro do respeito das regras deontológicas, sobre a correção da terapêutica prescrita a doentes, sob solicitação do Diretor Clínico;
  • Informar os planos de aquisição de medicamentos e orientar o seu consumo;
  • Avaliar mensalmente os dados de consumo e as existências em medicamentos por centro de custo, incluindo os prescritos em ambulatório;
  • Dar parecer sobre novos medicamentos a introduzir no formulário hospitalar;
  • Elaborar as adendas de aditamento ou exclusão constantes no formulário de medicamentos;
  • Definir e pôr em prática uma política de informação de medicamentos.

Consulte o Regulamento da Comissão de Farmácia e Terapêutica.

 

Gestão de Risco Clínico

Comissão de Gestão de Risco Clínico

Consulte o Regulamento da Comissão de Gestão de Risco Clínico

 

 

Gestão de Risco Não Clínico

A Comissão de Gestão de Risco Não Clínico configura e faz a supervisão operacional do funcionamento do sistema assegurando a gestão do risco relacionado com segurança, ambiente e estrutura física, através do desenvolvimento das seguintes atividades:

  • Identificação e avaliação do risco não clínico, fatores contribuintes e proposta de ações de melhoria e de medidas para reduzir o risco;
  • Análise e investigação de incidentes;
  • Implementação do Plano de Emergência Interno;
  • Promoção de formação na área de gestão do risco não clínico.

 

Humanização

A Comissão de Humanização é um órgão de apoio técnico ao Conselho de Administração, no âmbito da humanização, tendo por objeto a sua promoção efetiva.

A Comissão tem como missão de dinamizar, suportar e coordenar o processo e atividades de humanização do Hospital Garcia de Orta.

Composta por até nove membros, nomeados pelo Conselho de Administração, compete à Comissão de Humanização:

  • Proceder à reflexão sobre os objetivos estratégicos a traçar no domínio da humanização;
  • Analisar e inventariar a situação do Hospital em matéria de humanização;
  • Formular propostas de ação ou adoção de medidas, promovendo a sua execução;
  • Pronunciar-se sobre propostas ou planos elaborados por qualquer Serviço do Hospital que tenha incidências no plano da Humanização;
  • Apoiar em todos os Serviços do Hospital projetos específicos de humanização;
  • Estimular a participação da comunidade e de entidades da sociedade civil nas ações de humanização;
  • Colaborar com o Centro Garcia de Orta na realização de ações de formação e sensibilização dos profissionais do Hospital;
  • Contribuir para a melhoria das condições de receção, acolhimento, informação e apoio a utentes e acompanhantes;
  • Elaborar inquéritos aos utentes, familiares e acompanhantes sobre a qualidade dos serviços prestados, que permitirão avaliar os níveis de satisfação.

 

Consulte o Regulamento da Comissão de Humanização.

Oncológica

A Comissão Oncológica do Hospital Garcia de Orta, é um órgão de apoio técnico do Hospital.

Tem como missão assumir-se como provedora dos doentes oncológicos e, como tal, defender os seus direitos e promover as suas expectativas, em articulação com o Conselho de Administração.

Tem como visão estratégica centrar a atuação e decisão dos profissionais na multidisciplinaridade na integração global dos cuidados a prestar aos doentes oncológicos.

Tem como valores:

  • O respeito pela dignidade dos doentes
  • A garantia de qualidade nos cuidados prestados
  • O exercício de atividade baseada na evidência científica.
    Tem como Objetivo estabelecer uma coordenação efetiva dos vários intervenientes no processo de diagnóstico, propostas terapêuticas e seguimento clinico, contribuindo para individualizar o seu percurso no Hospital e adaptá-lo às necessidades específicas de cada entidade nosológica.

Compete à Comissão Oncológica:

  • Criar condições para a organização das consultas de grupo, multidisciplinares, com o objectivo de analisarem, definirem e viabilizarem estratégias de diagnóstico e terapêutica relativas a casos clínicos no âmbito da Oncologia;
  • Aprovar as normas de funcionamento das consultas de grupo;
  • Aprovar protocolos de atuação diagnóstica e terapêutica dos diversos tipos de doença oncológica;
  • Emitir parecer sobre a estrutura do HGO no âmbito da Oncologia;
  • Promover e coordenar os registos destinados ao Registo Oncológico Regional (ROR).

Qualidade e Segurança do Doente

A Comissão da Qualidade e Segurança do Doente é o órgão do Hospital que, em articulação com o Conselho de Administração, tem por missão dinamizar, suportar e coordenar o processo de atividades de melhoria contínua da qualidade dos cuidados prestados.

Deve garantir a harmonização das diferentes vertentes operacionais da melhoria da qualidade, designadamente no que respeita aos processos de acreditação e certificação, gestão do risco, boas práticas organizacionais, auditorias clínicas e não clínicas e informação de gestão clínica.

Nesse sentido, articula-se com estas estruturas, no sentido da maior complementaridade nas ações a desenvolver, tendo em vista o fim comum de melhorar as práticas e os resultados assistenciais.

A Comissão é composta por oito elementos distribuídos em duas estruturas:

  • Estrutura Central de Coordenação – composta por três elementos, um dos quais o Coordenador;
  • Estrutura Dinamizadora – composta por cinco elementos

Consulte o Regulamento da Comissão da Qualidade.

Centro Garcia de Orta

O Hospital Garcia de Orta, EPE, como estrutura organizacional de elevada diferenciação, é portador de um potencial endógeno de conhecimento científico, cujo valor justifica o planeamento e a consolidação de uma unidade orgânica tecnicamente adequada à aferição daquele potencial, ao recenseamento de capacidades disponíveis e à inventariação de recursos necessários ao desenvolvimento de projetos de ensino e investigação científica.

É genericamente reconhecida a importância do papel que os institutos de investigação e desenvolvimento desempenham na promoção da sustentabilidade e competitividade dos sistemas de saúde, existindo ampla evidência que relaciona a dimensão do trabalho de investigação científica desenvolvido e os níveis de qualidade dos cuidados prestados.

 

Missão

O Centro Garcia de Orta (CGO) tem por missão valorizar a capacidade de produção de conhecimento científico do Hospital, pela promoção sistemática e coordenação das atividades de Formação, Ensino e Investigação, do HGO.

 

Objetivos

  • Promover uma estratégia de investigação científica numa perspetiva ampla e conforme o consenso internacional que reconhece relevância na pluralidade de campos passíveis de objetivação científica, presentes na complexidade da organização hospitalar;
  • Incentivar e desenvolver projetos de investigação científica, clínica e de outras áreas do universo hospitalar, em articulação com os diversos serviços e departamentos do HGO, identificadas como relevantes para o conhecimento científico;
  • Desenvolver o conhecimento científico e tecnológico pela formação em metodologia de investigação científica;
  • Identificar e proteger inovações tecnológicas e de conhecimento científico desenvolvidas no Hospital, para divulgação ou patenteamento, em conformidade com a legis artis;
  • Estabelecer parcerias e acordos de afiliação com entidades públicas ou privadas, nacionais ou estrangeiras, afins da sua missão;
  • Organizar a oferta de ciclos de estudos, cursos e ações de formação e ensino, modelados de acordo com as tipologias adotadas pelas instituições de ensino e investigação;
  • Colaborar e incentivar o intercâmbio com instituições nacionais e internacionais, do âmbito da atividade científica;
  • Promover sinergias entre as estruturas funcionais que o integram, bem como com o Internato Médico e os profissionais em formação pré ou pós graduada em exercício no HGO;
  • Angariar fundos, públicos e privados, para a prossecução dos presentes objetivos.

No desenvolvimento dos objetivos apresentados, o CGO privilegia as relações bilaterais de cooperação com os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa.

 

Estrutura Orgânica

São órgãos do CGO:

  • O Presidente;
  • A Comissão Diretiva;
  • O Conselho Científico;
  • O Conselho Consultivo.

O CGO é dirigido por um Presidente, nomeado pelo Conselho de Administração, por um período de três anos, renovável, num total de dois mandatos consecutivos.

O Presidente do CGO tem as competências constantes dos artigos 11º e 12º do Regulamento Interno dos Centros de Responsabilidade, aprovado pela Deliberação do Conselho de Administração constante da Circular Informativa nº 17/2011, de 2 de março de 2011, bem como as que hajam sido delegadas ou subdelegadas.

O Presidente do CGO é coadjuvado por uma Comissão Diretiva nomeada pelo Conselho de Administração;

A Comissão Diretiva é constituída pelo Presidente do CGO e quatro vogais, por si designados e nomeados pelo Conselho de Administração, um dos quais exerce as funções de Coordenador do Serviço de Formação.

O Conselho Científico, nomeado pelo Conselho de Administração sob proposta do Presidente do CGO, é composto pelos profissionais vinculados ao HGO de reconhecido mérito e titulares de curriculum adequado às competências definidas nos termos do Artigo 7º deste Regulamento.

O Conselho Consultivo é indigitado pelo Conselho de Administração sob proposta do Presidente do CGO, e tem a sua composição e competências definidas nos termos do artigo 8º deste Regulamento.

Das deliberações do Conselho de Administração referidas no número anterior consta a designação dos Presidentes dos Conselhos Científico e Consultivo.

Os órgãos colegiais previstos neste Regulamento fixam, nas respetivas primeiras reuniões, as suas regras de funcionamento.

Parcerias e Protocolos

O CGO promove o desenvolvimento de processos negociais visando o estabelecimento de parcerias de afiliação com Universidades e Centros de Investigação e Ensino, nacionais e internacionais, para a prossecução das suas atribuições, nomeadamente no âmbito da consultoria em Estatística Aplicada à Investigação Clínica.

O acordo de afiliação referido anteriormente é condição obrigatória da participação do CGO em ciclos de estudos oficialmente autorizados e da concomitante atribuição de títulos académicos em regime de cotutela.

Podem ainda ser estabelecidos contratos de colaboração com empresas de consultoria para áreas específicas

 

Contactos:

Telefone: 212 727 360

E-mail: sec.cgo@hgo.min-saude.pt | formacao@hgo.min-saude.pt | gabinete.investigacao@hgo.min-saude.pt

 

Ensino

O CGO promove o desenvolvimento de processos negociais visando o estabelecimento de parcerias de afiliação com Universidades e Centros de Investigação e Ensino, nacionais e internacionais, para a prossecução das suas atribuições, nomeadamente no âmbito da consultoria em Estatística Aplicada à Investigação Clínica.

O acordo de afiliação referido anteriormente é condição obrigatória da participação do CGO em ciclos de estudos oficialmente autorizados e da concomitante atribuição de títulos académicos em regime de cotutela.

Podem ainda ser estabelecidos contratos de colaboração com empresas de consultoria para áreas específicas de intervenção e atividade do CGO.

 

Formação

O CGO integra o Serviço de Formação e superintende em todos os recursos que lhe estão adstritos.

Para a Formação Profissional é elaborado um Plano Anual e Plurianual de Formação, fundamentado em diagnóstico de necessidades dirigido a todos os grupos profissionais, garantindo-se o caráter multidisciplinar e pluriprofissional da atividade formativa e a avaliação da formação.

Reconhecida a especificidade da Formação Profissional como processo de capacitação e aprendizagem de conhecimentos, atitudes e comportamentos, exigidos pela organização dos postos de trabalho e consonantes com objetivos de gestão de recursos humanos e estratégias de mudança definidas para globalidade do Hospital, à estrutura funcional que a suporta é atribuída autonomia funcional e coordenação própria.

O titular da coordenação do Serviço de Formação é proposto pelo Presidente do CGO e nomeado pelo Conselho de Administração, sendo obrigatoriamente vogal da Comissão Diretiva.

 

Investigação

A investigação científica a desenvolver no HGO estrutura-se em linhas de investigação definidas pela Comissão Diretiva que circunscrevem as grandes áreas de conhecimento científico e, perspetivadas no longo prazo, enquadram a organização e execução dos projetos de investigação.

Para cada linha de investigação é designado um investigador responsável, que é o interlocutor direto do Presidente do CGO para o respetivo âmbito de conhecimento científico.

Os projetos de investigação, subordinados às linhas de investigação, definem-se pela delimitação e particularidade dos seus objetivos, bem como pela especificidade da hipótese científica que formulam, sendo a sua execução objeto de programação cronológica e limitação temporal.

Os projetos de investigação são endereçados ao Presidente do CGO, através de processos autónomos de candidatura, cujo modelo é divulgado.

As propostas de realização de ensaios clínicos são endereçadas ao Presidente do CGO que, verificada a conformidade com as previsões legais aplicáveis, as remeterá à Comissão de Ética.

Após parecer, nos termos da lei, da Comissão de Ética, as propostas de ensaios clínicos são remetidas ao Conselho de Administração para homologação.

Podem ser constituídos, por iniciativa da Comissão Diretiva ou por proposta de profissionais em exercício no HGO núcleos de investigação, como estruturas de interdisciplinaridade e de maior permanência no tempo, orientadas para áreas particulares de prestação de cuidados em si geradoras de oportunidades de produção de conhecimento científico.

Internato Médico

O Internato Médico corresponde a um processo de formação médica, teórica e prática, que tem como objetivo habilitar o médico ao exercício da medicina ou ao exercício tecnicamente diferenciado numa determinada área de especialização, com a atribuição do correspondente grau de especialista.

Compreende duas vertentes: a) formação geral; b) formação especializada.

A nível nacional, é coordenado pela Administração Central do Sistema de Saúde, I. P.(ACSS) que exerce as suas funções com a colaboração do Conselho Nacional do Internato Médico (CNIM), das Comissões Regionais do Internato Médico (CRIM), das Administrações Regionais de Saúde, I. P. (ARS) e das unidades de saúde das áreas de cuidados de saúde primários e hospitalares.

Nos estabelecimentos hospitalares, a Direção do Internato Médico é o órgão responsável pela organização e planeamento do Internato Médico, promovendo e garantindo a aplicação dos programas de formação, assim como pela orientação e acompanhamento do desenvolvimento geral e avaliação da formação médica pós graduada, em observância das normas legalmente estabelecidas.

É objetivo da Direção do Internato Médico do Hospital Garcia de Orta contribuir para o elevado nível formativo que se procura proporcionar a todos os jovens médicos que escolhem este hospital para realizar a sua formação. Para levar a bom termo esta missão conta com a colaboração de todos os médicos envolvidos na formação, desde os diretores de serviços e departamentos aos orientadores de formação, e com o empenhamento dos médicos internos.

 

Contactos

Telefone: 212 940 294 | Ext. 22091

E-mail: internato.medico@hgo.min-saude.pt

Anatomia Patológica

Anatomia Patológica é a especialidade médica que se dedica ao diagnóstico de doenças através do exame macroscópico e microscópico de tecidos, órgãos e fluidos corporais.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Anatomia Patológica?

Diagnósticos anatomo-patológicos nas áreas da autópsia, histologia e citologia.

O Serviço desenvolve ainda atividades de formação de médicos especialistas de Anatomia Patológica e de outras especialidades, bem como de Técnicos de Anatomia Patológica.

O Serviço de Anatomia Patológica efetua os seguintes exames:

  • Exames Histológicos;
  • Autópsias;
  • Imunohistoquímica;
  • Exames Citológicos.

Equipa:

  • Dra. Maria José Brito, Diretor de Serviço
  • Téc. Ana Coias Miranda, Técnica Coordenadora
  • Dr. António Martins, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 223
E-mail: secretariado.anatomia@hgo.min-saude.pt

Medicina Física e Reabilitação

Medicina Física e de Reabilitação é a especialidade médica que se dedica ao diagnóstico e tratamento de deficiências e incapacidades funcionais.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Medicina Física e de Reabilitação?

  • Consulta Externa;
  • Técnicas Terapêuticas.

Para além da área assistencial, o Serviço desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada.

O Serviço de Medicina Física e de Reabilitação disponibiliza as seguintes consultas:

  • Consulta de Reabilitação Pediátrica;
  • Fisiatria;
  • Fisiatria – Acidente Vascular Cerebral;
  • Fisiatria – Incontinência Urinária;
  • Fisiatria – Mesoterapia;
  • Fisiatria – Consulta do Pé.

As consultas externas são solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

Equipa:

  • Dra. Maria Alda Silveira, Diretor de Serviço
  • Téc. Eduardo Ressurreição, Técnico Coordenador
  • Dr. António Martins, Administrador

 

Contactos:
Telefone: 212 724 222
E-mail: secretariado.mfr@hgo.min-saude.pt

Medicina Nuclear

Medicina Nuclear é a especialidade médica que se dedica ao diagnóstico e tratamento de doenças com recurso a produtos radioativos, permitindo sobretudo o estudo de alterações funcionais e moleculares.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Medicina Nuclear?

  • Exames;
  • Consultas

O Serviço de Medicina Nuclear do HGO tem como missão desenvolver a especialidade na área de influência da Instituição, assegurando cuidados de saúde e promovendo formação e investigação.

Desenvolve a sua atividade tendo em conta os seguintes valores: cultura de prestação de serviço público centrada no utente/doente; cultura de organização e liderança; cultura de eficiência e de efetividade; cultura de qualidade e de segurança; cultura de competência e rigor; cultura de equipa multidisciplinar; observância de deontologia e ética.

O Serviço iniciou a sua atividade em Fevereiro de 1997 e dispõe, presentemente, de uma câmara gama de duplo detetor e de uma sonda gama para uso per-operatório (cirurgia radioguiada).

Tem-se distinguido sobretudo pela sua colaboração ao estudo do Tromboembolismo Pulmonar, pelo diagnóstico em Pediatria e Nefrologia, pelo apoio à cirurgia radioguiada (gânglio sentinela e paratiroideia hiperfuncionante) e pela terapêutica de hipertiroidismo com o Iodo-131.

Participa nas Consultas de Decisão Terapêutica de Patologia Mamária, Melanoma Maligno da Pele e Patologia da Tiroideia.

O Serviço desenvolve igualmente as seguintes atividades:

  • Internato Complementar de Medicina Nuclear, tendo obtido idoneidade formativa em 1999;
  • Formação Pré e Pós-graduada em diversas áreas técnicas e científicas: acolhimento de estágios em colaboração com a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa, o Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, a Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre, a Faculdade de Engenharia da Universidade Católica Portuguesa e a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.
  • Formação Contínua: entre Fevereiro de 1998 e Maio de 2012, o Serviço organizou 7 Jornadas, 2 reuniões em colaboração com outros serviços do HGO e 1 Curso dirigido a Internos do Internato Complementar;
  • Atividade Científica: para além de participar e apresentar diversos trabalhos em Congressos Nacionais e Internacionais, integrou, entre 2003 e 2010, um Consórcio Nacional de Investigação, em conjunto com mais seis instituições da área científica e tecnológica. Este Consórcio desenvolveu um protótipo para Mamografia por Emissores de Positrões (ClearPEM), tendo sido o HGO responsável pela definição dos requisitos clínicos do protótipo e pelo desenho e preparação dos Ensaios Clínicos de validação. Em 2010, participou, em colaboração com o Serviço de Cardiologia, no Ensaio Clínico “Protection AMI – KAI 9803-004”. Integra o Projeto Dose Datamed2 Portugal, dedicado à avaliação da exposição da população portuguesa a radiações ionizantes, devido a exames médicos.

Equipa:

  • Dra. Ana Isabel Santos, Diretor de Serviço
  • Enf. Ana Lopes, Enfermeiro Chefe
  • Dr. António Martins, Administrador

 

Contactos:
Telefone: 212 726 856
E-mail: secretariado.mednuclear@hgo.min-saude.pt

Medicina Tranfusional (Dádivas de Sangue)

O Serviço de Medicina Transfusional iniciou a sua atividade em 1991, intitulado à data de Serviço de Imunohemoterapia (especialidade médica que se dedica ao tratamento de doenças através da utilização de sangue ou derivados). O Serviço tem como missão a promoção da dádiva de sangue, triagem de dadores, colheita, análise, processamento, armazenamento e a disponibilização de sangue e componentes sanguíneos para transfusão hospitalar.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Medicina Transfusional

  • Colheita de Sangue a Dadores;
  • Consulta Externa;
  • Exames;
  • Hospital de Dia.

Horário de colheita

O processo de dádiva demora em média 30 minutos e pode ser realizado segundas, terças e quintas entre as 9h00 e as 15h00 e às quartas e sextas feiras entre as 9h00 e as 19h00.

 

Dar sangue

Dar sangue é um ato seguro e simples, durante a dádiva não existe nenhuma possibilidade de contrair qualquer doença. Para se ser dador de sangue basta ter entre 18 a 65 anos de idade, pesar mais de 50 quilos e hábitos de vida saudáveis.

Antes de efetuar a sua dádiva, um médico vai realizar uma entrevista confidencial, para avaliar as suas condições de saúde e descartar qualquer aspeto que o impeça de doar. O principal objetivo é preservar a saúde do dador e garantir uma transfusão segura para os doentes.

Na entrevista será realizado: um questionário médico, medição do pulso e tensão arterial, recolha de uma pequena gota de sangue (teste da hemoglobina) para exclusão de uma possível anemia.

Se não houver nenhuma contraindicação será aprovado como dador, caso contrário, poderá ser suspenso temporária ou definitivamente.

Em pouco mais de 10 minutos a sua dádiva terá finalizado. O volume de sangue extraído (450 ml) é recuperado duas horas após a colheita. No fim da colheita, deverá fazer uma refeição ligeira.

Poucos dias depois de ter realizado a sua dádiva, irá receber de forma confidencial, os resultados das análises efetuadas. Será informado e orientado clinicamente caso algum teste estiver alterado e/ou for positivo.

Lembre-se que a sua participação é voluntária, poderá decidir não dar sangue em qualquer altura do processo .

Antes da dádiva, o dador deve ter em contas as seguintes recomendações: tomar o pequeno-almoço, fazer uma ingestão de água e aguardar duas após o almoço.

 

Após a dádiva

O sangue não é administrado aos doentes tal e como se colhe. Para ser administrado, é submetido a um processo de separação, obtendo os seguintes componentes:

  • Glóbulos Vermelhos: têm como principal função transportar o oxigénio a todas as células do corpo. São utilizados principalmente em situações de anemia;
  • Plaquetas: utilizadas em doenças oncológicas e hematológicas, nos transplantes de medula óssea, etc., são fundamentais para parar uma hemorragia;
  • Plasma: contem, entre outras, as proteínas essenciais para a coagulação. É utilizado nas coagulopatias, nos grandes queimados, em doenças infecciosas.

Em todas as unidades de sangue colhidas são realizadas uma série de provas analíticas (para proteger os doentes):

  • Determinação do Grupo sanguíneo;
  • Pesquisa de vírus transmitidos pela transfusão, nomeadamente, os vírus da hepatite B e C, o VIH (vírus da Imunodeficiência Humana, responsável pelo SIDA) e HTLV;
  • Sífilis.

 

Algumas boas razões para dar sangue

  • Satisfação pessoal, por sentir que faz parte de um grupo saudável e altruísta da população que sabe ajudar quem mais precisa;
  • Resultados das análises clínicas em sua casa após a dádiva;
  • Aconselhamento médico se necessário;
  • Determinação do grupo sanguíneo;
  • Atribuição de cartão nacional de dador de sangue;
  • Parque automóvel reservado enquanto efetua a dádiva de sangue (basta contactar o segurança na entrada principal).

Equipa:

  • Dra. Maria Isabel Cunha, Diretor
  • Dra. Alexandra Santos, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 255
E-mail: secretariado.imuno@hgo.min-saude.pt

Neurorradiologia

Neurorradiologia é a especialidade médica dedicada à realização de meios complementares de diagnóstico e de terapêutica no âmbito do Sistema Nervoso Central (SNC).

A maior parte da atividade da Neurorradiologia é dedicada ao estudo diagnóstico por tomografia computadorizada (TC), por ressonância magnética (RM) e por angiografia do encéfalo, cervical e do ráquis, executando os exames e posteriormente os respetivos relatórios.

A Neurorradiologia de Intervenção é uma outra vertente de especialidade que consiste no tratamento percutâneo de lesões do SNC, na maior parte das vezes por via endovascular e em doentes com malformações arteriovenosas e aneurismas intra-cranianos. A especialidade trata também casos de patologia vascular oclusiva e de tumores hipervascularizados.

É o único Serviço da especialidade a Sul do Tejo.

A população alvo tem sido maioritariamente o grupo de utentes do Hospital Garcia de Orta, EPE, e, como tal, a população de referência deste. Considerando o facto de ter desenvolvido uma valência de referência, a terapêutica endovascular, tem igualmente como missão responder a solicitações provenientes de outros Hospitais.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Neurorradiologia

  • Tomografia Computorizada;
  • Ressonância Magnética;
  • Ecodoppler;
  • Angiografia Diagnóstica e Terapêutica;
  • Consulta de Neurorradiologia de Intervenção.

Para além da área assistencial, o Serviço desenvolve ainda atividades de formação pré e pós-graduada e de investigação.

 

Equipa:

  • Dra. Ana Cristina Rios, Diretor de Serviço
  • Téc. Cristina Menezes, Técnico Coordenador
  • Dr. António Martins, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 183 | 212 726 857
E-mail: secretariado.neurorradiologia@hgo.min-saude.pt

Patologia Clínica

Patologia Clínica é a especialidade médica que complementa o diagnóstico clínico presuntivo de alterações do estado de saúde e/ou monitorização de terapêuticas, através de analises laboratoriais.

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Patologia Clínica?

Exames Complementares Analíticos

O Serviço de Patologia Clínica do HGO tem como missão realizar exames complementares analíticos, vulgo análises clínicas, com garantia de fiabilidade e qualidade, à comunidade que recorre à instituição hospitalar, seguindo a boas práticas laboratoriais, contribuindo assim para os cuidados de saúde prestados.

Tem ainda como missão promover a formação de outros profissionais e envolver-se em parcerias de investigação, procurando corresponder às solicitações dos diferentes Serviços que compõem a vertente assistencial do Hospital e colaborar com outras entidades locais de saúde a nível dos cuidados primários e secundários.

Desenvolve a sua atividade tendo em conta os seguintes valores: prestação de serviço público; manutenção de equipa coesa e polivalente; preservação da garantia de qualidade; promoção da segurança; exigência de rigor e competência; organização e liderança partilhadas; observância da deontologia e da ética.

O Serviço encontra-se a desenvolver os seguintes projetos:

  • HosPoc – Sistema de gestão da qualidade dos testes Point of Care (PoC) do Hospital (tiras testes à cabeceira do doente), garantindo o controlo de qualidade de todos os processos e a normalização dos procedimentos, bem como a rastreabilidade dos equipamentos, reagentes, utilizadores e resultados. Além de possibilitar uma clarificação dos procedimentos de atuação, a introdução desta solução facilitará a correta identificação dos doentes durante todo o período de passagem pelo Hospital, vantagens em termos de economia de tempo e controlo de custos, contribuindo para melhores decisões e resultados clínicos. O HGO é pioneiro na introdução deste sistema em Portugal, que já se encontra implementado em cerca de 45 países com um total de 700 instalações;
  • EARSS (European Antimicrobian Resistance) – Projeto europeu de uso de “nova família” de antibióticos no âmbito de infeções no sangue (sepsis) e liquor (meningites);
  • ARSIP (Antimicrobian Resistance Surveillance Program) e Viriato – Projetos nacionais no estudo de antibióticos em infeções respiratórias a determinados microorganismos.

O Serviço de Patologia Clínica (SPC) está funcionalmente organizado em cinco grandes áreas que correspondem à clássica divisão de um SPC num Hospital com as carateristicas do HGO:

  • Laboratório de Bioquímica | Inclui química clínica, imunoquímica, endocrinologia, marcadores tumorais e alergologia.
  • Laboratório de Hematologia | Inclui hematologia geral, citomorfologia, hemostase e fibrinólise e imunofenotipagem celular.
  • Laboratório de Imunologia, Serologia e Biologia Molecular | Inclui imunologia celular e química, serologia bacteriana e viral e cargas virais.
  • Laboratório de Bacteriologia | Inclui microbiologia, micobacteriologia e micologia.
  • Laboratório de Urgência | Responde às solicitações de análises com indicação de execução imediata e que está integrado com parte do Lab de Bioquímica e de Hematologia num núcleo laboratorial denominado “LabCore”.

Equipa:

  • Dra. Olga Carreira, Diretor de Serviço
  • Dra. Alexandra Santos, Administrador
  • Téc. Ema Avô Fusco, Técnico Coordenador

 

Contactos:
Telefone: 212 727 261
E-mail: secretariado.patcli@hgo.min-saude.pt

Radiologia

Radiologia é a especialidade médica que se dedica ao diagnóstico e tratamento através da utilização de imagens obtidas usando radiação ionizante (radiografia, tomografia computorizada, mamografia), ultrassons (ecografia) ou radiofrequência (ressonância magnética).

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Radiologia?

  • Radiologia Convencional;
  • Ecografia;
  • Tomografia Axial Computorizada (TAC);
  • Ressonância Magnética;
  • Angiografia;
  • Senologia;
  • Osteodensitometria.

O Serviço tem como missão dar resposta hospitalar aos exames de diagnóstico pela Imagem na área de Corpo, solicitadas pelo Internamento, Urgências e Consulta Externa do HGO, segundo a Diretiva Europeia 97/43 Euratom e o Manual de Boas Práticas.

Tem igualmente como Missão promover as boas práticas no âmbito da requisição de exames que utilizam radiações ionizantes, apostando na qualidade e aferimento diagnóstico dos exames efetuados no Serviço.

Promove também a formação de Internos de Radiologia e outras especialidades com estágio na área de Diagnóstico pela Imagem.

O Serviço de Radiologia tem como visão responder de forma atempada às solicitações dos diferentes Serviços que compõem a vertente assistencial desta Instituição. Como perspetiva, futura colaboração com outras entidades locais de saúde a nível de cuidados primários e secundários.

Desenvolve a sua atividade tendo em conta os seguintes valores: prestação de serviço público de qualidade; manutenção de equipa coesa e polivalente; preservação da cultura hospitalar na área de diagnóstico; promoção da segurança, nomeadamente na área de radioproteção; exigência de rigor e competência; organização e liderança partilhadas; observância da deontologia e da ética.

O Serviço de Radiologia encontra-se funcionalmente agrupado em sete áreas correspondendo às Técnicas de Diagnóstico existentes:

  1. Radiologia Convencional: 4 Salas, duas para Serviço Geral (RX Torax, osteo-articular, abdómen) e outras duas com mesa basculante e fluoroscopia, onde se efetuam digestivos, exames urológicos, e que igualmente dão apoio a Especialidades afins como Gastroenterologia (CPRE,CPT), Ginecologia (Histerosalpingografias). Dispõe ainda de dois equipamentos de RX portáteis para doentes intransportáveis, e ainda de equipamentos e fluoroscopia para apoio ao Bloco Operatório.
  2. Ecografia: 2 Salas, uma destinada à Urgência e Internamento e a outra para doentes externos, e onde são efetuados todos os exames ecográficos da área de Corpo, assim como EcoDopplers e atos de intervenção ecoguiados.
  3. Tomografia Axial Computorizada (TAC): 2 Salas, 1 dedicada à Urgência e Internamento, a funcionar 24 horas/dia, equipada com TC multicorte de 16 cortes, e a outra com TC de 4 cortes, que dá resposta à Consulta Externa.
  4. Ressonância Magnética: 1 sala com equipamento de 1,5 Tesla, onde são efetuados todos os exames RM da área de Corpo.
  5. Angiografia: Equipada com um angiógrafo digital, com utilização multidisciplinar no âmbito do diagnóstico e intervenção, e integrada na valência de Hemodinâmica.
  6. Senologia: Área dedicada ao diagnóstico da patologia mamária, especialmente vocacionada para aferimento diagnóstico de apoio à consulta de Patologia mamária do HGO, e que dispõe de espaço dedicado, com 1 Sala com mamógrafo digital de campo completo, com equipamento de estereotaxia digital para as intervenções, 1 Sala com ecógrafo com sonda de partes moles, aferido para o diagnóstico e intervenção mamária, estação de leitura mamográfica dedicada, com envio das Imagens para a rede Hospitalar.
  7. Osteodensitometria: Em fase de implementação, irá completar a oferta do Serviço de Imagiologia em termos de caracterização da população osteoporótica.

Equipa:

  • Dr. Afonso Nuno Vieira Rodrigues Gonçalves, Diretor de Serviço
  • Téc. João Eduardo P. Carrapiço, Técnico Coordenador
  • Dr. António Martins, Administrador

Contactos:
Telefone: 212 727 253
E-mail: secretariado.radiologia@hgo.min-saude.pt

Psicologia

O Serviço de Psicologia (SP) tem como missão prestar cuidados de Psicologia com elevados níveis de qualidade, tendo sempre em consideração a eficiência, a eficácia e a equidade.

O SP desenvolve a sua atividade em articulação com os restantes serviços hospitalares e demais especialidades (médicas e não médicas), numa perspetiva de cuidados de saúde integrados.

A análise das necessidades de saúde psicológica dos utentes deverá ser realizada pelo SP, respeitando as características demográficas, sociais e clínicas das populações a que presta serviço.

O SP é dotado de autonomia científica, técnica e funcional e deverá ser integrado no organigrama da instituição, respeitando, deste modo, as normas internas e as suas regras de funcionamento. A organização e funcionamento da instituição não poderão colidir com a autonomia da Psicologia. No exercício das suas funções e de acordo com a dinâmica institucional, o SP deverá estar representado, participar e cooperar em estruturas da organização.

O SP deve implementar os princípios da governação clínica e de saúde da Psicologia, nomeadamente: basear as intervenções psicológicas na melhor evidência científica disponível, monitorar e auditar a efetividade das intervenções psicológicas, promover a investigação, desenvolver o trabalho em equipa e promover a formação profissional contínua dos psicólogos.

O SP rege-se pelos seguintes princípios orientadores:

  • Assegurar adequadas competências e qualificações dos psicólogos.
  • Contribuir para uma gestão eficaz e eficiente dos recursos humanos e materiais.
  • Salvaguardar e sublinhar o contributo diferenciador e identitário da profissão e da Psicologia Clínica e da Saúde, enquanto especialidade inserida em equipas multidisciplinares de prestação de cuidados de saúde de excelência.
  • Garantir o cumprimento dos normativos éticos e deontológicos legalmente vigentes para o exercício da profissão.
  • Delinear/adotar protocolos e programas de intervenção inovadores, de acordo com a evidência científica e as melhores práticas.
  • Uniformizar os procedimentos administrativos específicos da Psicologia.
  • Agilizar e promover a articulação intra e interpares em prol do melhor interesse dos utentes.
  • Participar e contribuir para as dinâmicas institucionais.
  • Fomentar e desenvolver a intervisão, supervisão e formação contínua dos psicólogos.
  • Valorizar a participação em atividades de docência, investigação e formação. Aferir a adequabilidade do perfil de competências afetas a cada a cada área clínica.

O SP é composto por 5 Equipas que abarcam todos os psicólogos que exercem funções no HGO, bem como psicólogos estagiários (profissionais e académicos):

  1. Equipa de Saúde Mental do Adulto: Exerce atividade, pela sua especificidade, no Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental, em estreita articulação com os psiquiatras do serviço.
  2. Equipa de Saúde Mental da Infância e da Adolescência: Exerce atividade, pela sua especificidade, no Serviço de Pedopsiquiatria, em estreita articulação com os pedopsiquiatras do serviço.
  3. Equipa de Psicologia de Desenvolvimento da Criança: Exerce atividade, pela sua especificidade, no Centro de Desenvolvimento da Criança, em estreita articulação com os médicos do serviço.
  4. Equipa de Neuropsicologia: Exerce atividade, pela sua especificidade, no Serviço de Neurologia. Dá resposta aos pedidos de avaliações neuropsicológicas e de consultas do serviço, bem como aos pedidos de avaliações neuropsicológicas dos outros serviços.
  5. Equipa de Psicologia da Saúde: Dá apoio a todos os serviços e Unidades Hospitalares:

 

  • Psicologia de Ligação: presta assistência aos doentes internados nos serviços. Trabalha, pela sua especificidade, em estreita articulação com a Psiquiatria de Ligação do Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental. Dá resposta aos pedidos de consulta dos seguintes serviços: Serviço de Otorrinolaringologia, Serviço de Neurocirurgia; Serviço de Hemato Oncologia, Serviço de Gastroenterologia; Serviço de Obstetrícia; Serviço de Urologia, Serviço de Endocrinologia, Serviço de Cirurgia I e II, Serviço de Cardiologia, Serviço de Cirurgia Plástica, Serviço de Cirurgia vascular, Serviço de Dermatologia, Serviço de Ginecologia, Serviço de Puérperas, Serviço de Reumatologia, Serviço de Grávidas, Serviço de Maxilo Facial, Serviço de Medicina I, II, III, IV, V, Serviço de nefrologia, Serviço de Neurocirurgia I e II, Serviço de Oftalmologia, Serviço de Orto traumatologia I e II, Serviço de Urologia, UCI de Cirurgia, UCI de Neurocirurgia, UCIM, UCINT, UCIP, UIMC, UCC, UMD.
  • Unidade da Dor: a intervenção psicológica é realizada em estreita articulação com os médicos e enfermeiros do serviço.
  • Serviço de Infecciologia: a intervenção psicológica é realizada em estreita articulação com os médicos do serviço.
  • Serviço de Saúde Ocupacional: a intervenção psicológica é realizada em estreita articulação com a diretora de serviço.
  • Equipa Intra Hospitalar de Suporte em Cuidados Paliativos (EIHSCP): a intervenção psicológica é realizada numa perspetiva multidisciplinar.

 

Competências do SP:

  • Realizar consulta psicológica, individual ou em grupo.
  • Realizar avaliações psicológicas, diagnóstico e estudo psicológico de indivíduos, grupos ou comunidades.
  • Realizar programas e atividades de educação para a saúde.
  • Identificar, planear e contratualizar serviços de psicologia com as outras Unidades e Serviços da instituição.
  • Realizar psicoterapias individuais, de grupo, de família e de casal.
  • Identificar equipamento e instrumentos de trabalho específicos da Psicologia, devidamente adaptados e validados para a população portuguesa.
  • Elaborar pareceres e relatórios periciais.
  • Colaborar com o Conselho de Administração, e contribuir para a melhoria contínua da instituição.
  • Contribuir para a formação académica e profissional em Psicologia.
  • Integrar comissões e grupos de trabalho de âmbito institucional.
  • Responsabilizar-se pela escolha, administração e utilização do equipamento técnico e dos instrumentos específicos de Psicologia.
  • Desenvolver e participar em projetos de investigação e/ou formação, nomeadamente em áreas que envolvem o comportamento individual ou em grupo.
  • Organizar ações de formação na área da Psicologia em estreita colaboração com os serviços da instituição.
  • Colaborar na realização de ações de formação, em articulação com outros serviços e especialidades.
  • Articular a sua ação com outras áreas, tais como: cuidados de saúde primários, segurança social, justiça e sistema educativo, de modo a efetuar um correto diagnóstico e intervenções psicológicas mais adequadas às situações, através de sinergias e protocolos de articulação.

O Serviço de Psicologia é um serviço clínico, transversal a toda a instituição, desenvolvendo a sua atividade em articulação com todos os serviços, assente num modelo de integração de cuidados, que sustente a prestação dos cuidados de saúde mental à população

 

Equipa:

  • Dra. Cláudia Lopes, Diretor de Serviço
  • Dra. Alexandra Santos, Administrador

Serviço de Esterilização

O Serviço de Esterilização Centralizada realiza de forma centralizada, para todos os serviços do Hospital, as atividades inerentes ao reprocessamento global dos dispositivos médicos reutilizáveis.

O Serviço de Esterilização Centralizada é coordenado por um enfermeiro chefe e assegura as seguintes funcionalidades:

O reprocessamento de todos os dispositivos médicos reutilizáveis necessários à prestação de cuidados, em conformidade com as normas em vigor, garantindo a qualidade técnica e a otimização dos recursos;
Os requisitos de qualidade;
A prática de um sistema de informação, baseado em suportes orientados para a avaliação do desempenho, em termos de qualidade e de custo/benefício;
Colaboração com estabelecimentos de ensino e outros, bem como na formação interna dos profissionais de saúde na área do reprocessamento de dispositivos médicos.

O Serviço de Esterilização do HGO, no passado dia 08 de Novembro de 2019, viu garantidas pela APCER – Associação Portuguesa de Certificação, a manutenção da Certificação do seu Sistema de Gestão da Qualidade, no âmbito da norma NP EN ISO 9001:2015, e a concessão da transição da certificação para NP EN ISO 13485:2017 – Dispositivos Médicos-Sistemas de Gestão da qualidade/Requisitos para fins regulamentares, válidas até abril de 2021 e março de 2022, respetivamente.

Certificado APCER 2018-2021

Certificado APCER 2017

 

Contactos:

Telefone: 212 727 243

E-mail: secretariado.esterilizacao@hgo.min-saude.pt

Serviço de Nutrição

A missão do Serviço de Nutrição (SN) consiste na aplicação das ciências da nutrição no tratamento de doenças e na promoção da saúde, a nível individual e coletivo, abrangendo toda a população da Instituição.

O Dietista tem uma intervenção interdisciplinar, aplicando os seus conhecimentos e competências profissionais, na implementação de uma terapêutica nutricional/dietética, adequada à situação clínica de cada utente, na promoção da saúde, no controlo da segurança e higiene alimentar.

O SN exerce as suas competências no âmbito da equipa de saúde e em estreita colaboração com a equipa clínica, de acordo com o Decreto Lei n.º 564/99 de 21 de Dezembro.

O SN recebe pedidos de consultas de todas as especialidades do Hospital (Consulta de Nutrição e Dietética) e colabora em várias consultas multidisciplinares, nomeadamente na Consulta de Diabetes (adultos, crianças, grávidas, bombas infusoras de insulina), Obesidade (adultos e crianças), Nutrição Entérica, Saúde Ocupacional e nas diferentes especialidades pediátricas incluindo a Neuropediatria, com a elaboração de Dietas Cetogénicas, em casos de epilepsias refratárias.

O Serviço colabora também com o Centro Garcia de Orta dando formação em temáticas específicas da área de nutrição e dietética. Colabora ainda com Instituições de Ensino Superior, na formação de profissionais da área da nutrição (Estágios Académicos) e com a Ordem dos Nutricionistas – Estágios Profissionais.

Anualmente participa no Campo de Formação em Férias para Crianças e Jovens com Diabetes tipo1. Sempre que solicitado, os diferentes elementos do SND participam em programas de educação para a saúde, ao serviço da comunidade.

 

O Serviço de Nutrição está diretamente interligado com o Serviço de Alimentação, prestando-lhe acessória técnica e ambos os serviços estão dependentes da Diretora dos Serviços Hoteleiros. O SN é coordenado por um Dietista.

A atividade do SN engloba diferentes áreas de intervenção, nomeadamente ao nível clínico e ao nível do controlo de segurança e higiene alimentar, de acordo com o Decreto Lei n.º 564/99.

Nos serviços de internamento, o Dietista faz parte integrante da equipa pluridisciplinar, percorrendo transversalmente todas as unidades de internamento do hospital. Efetua a avaliação das necessidades nutricionais dos utentes, aplica inquéritos alimentares para caracterizar e avaliar a ingestão alimentar. Posteriormente, calcula e planifica o suporte nutricional a administrar por via oral ou entérica e monitoriza-o. Aquando da alta hospitalar, efetua ensino ao doente e/ou sua família, de modo a manter, em ambulatório, a terapêutica nutricional instituída. Também avalia o risco nutricional, utilizando o Nutritional Risk Screening – NRS 2002.

Na consulta externa, o Dietista procede à avaliação do utente, através da sua história clínica, da anamnese alimentar, dos parâmetros antropométricos e bioquímicos e, planifica o regime nutricional adequado ao indivíduo e sua patologia.

Relativamente à Higiene e Segurança Alimentar, o SN supervisiona o fornecimento de alimentação, pela empresa concessionária, através do controlo e verificação qualitativa e quantitativa das refeições, verificando a conservação, confeção e distribuição dos alimentos, fazendo diariamente auditorias e aplicando “check-list”.

 

Equipa:

  • Téc. Anabela Almeida, Técnico Coordenador
  • Dra. Alexandra Santos, Administrador

 

Contactos:

Telefone: 212 726 844

E-mail: comissao.nutricao@hgo.min-saude.pt

Serviço Farmacêutico

A missão dos serviços farmacêuticos do HGO consiste na prestação de cuidados de saúde no âmbito dos produtos farmacêuticos, procurando a melhoria contínua dos cuidados prestados aos doentes.

No âmbito da política do medicamento e gestão do seu circuito a sua ação centra-se na:

  • Racionalização do uso do medicamento, através da utilização custo-efetiva das opções terapêuticas disponíveis;
  • Garantia de disponibilidade do medicamento certo, ao doente certo no momento certo;
  • Minimização do erro e maximizar a segurança do doente;
  • Disponibilização de informação e apoio aos serviços clínicos, na área do medicamento;
  • Monitorização do uso do medicamento;
  • Garantia da melhor utilização dos recursos financeiros.

Os Serviços Farmacêuticos desenvolvem a sua atividade no âmbito das seguintes unidades funcionais:

  • Seleção, aquisição e armazenamento de produtos farmacêuticos;
  • Informação do medicamento;
  • Distribuição;
  • Medicamentos experimentais;
  • Rádio-farmácia;
  • Preparação (farmacotecnia e citostáticos);
  • Farmacovigilância;
  • Farmacocinética;
  • Farmácia clínica.

 

Equipa:

  • Dr. Armando Alcobia, Diretor de Serviço
  • Téc. João Caetano, Técnico Coordenador
  • Dr. Arménio Neves, Administrador

 

Contactos:

Telefone: 212 727 246

E-mail: farmacia@hgo.min-saude.pt

 

Serviço Social

É missão do HGO prestar cuidados de saúde diferenciados, em quase todas as especialidades, à população dos concelhos de Almada e Seixal, cabendo ao Serviço Social a dimensão social, económica e cultural dos cuidados hospitalares.

O Serviço Social, no campo da saúde, concebe, organiza e presta cuidados do âmbito social, focalizando a intervenção no relacionamento das pessoas com meio que as rodeia, nas diferentes fases do ciclo da vida.

O Serviço Social procura promover a transversalidade dos diversos níveis de prestação de cuidados: promoção da saúde; prevenção primária e secundária da doença; investigação; tratamento e reabilitação; com vista à promoção da recuperação do bem-estar e da qualidade de vida.

O Assistente Social, na sua praxis, age de acordo com os seguintes objetivos gerais:

  • Promover a autonomia e bem-estar do doente;
  • Proceder à análise social das capacidades, pontos de resistência e condições psicossociais do indivíduo, família e grupos no seu contexto sociocultural;
  • Promover informação adequada, reforçando os direitos e deveres do utente, no intuito da referenciação qualificada ou do acompanhamento psicossocial;
  • Analisar, selecionar, elaborar e registar informação no âmbito da atuação psicossocial;
  • Consultar, colaborar e articular com os profissionais internos e externos e organizações de parceria;
  • Rentabilizar os recursos individuais, familiares, institucionais e comunitários;
  • Fomentar a qualidade e a humanização dos cuidados de saúde, contribuindo para o respeito do utente como pessoa e incentivando a generalização dessa atitude a todo o pessoal hospitalar.

O Serviço Social é um ramo profissional específico, com métodos e técnicas próprias, que tem como principal objetivo ajudar a minorar os problemas psicossociais que possam dificultar o tratamento, cura e reabilitação dos doentes, assim como a sua reintegração após alta hospitalar.

O Serviço Social do HGO constitui-se como serviço dotado de autonomia técnica e organização próprias, dependendo hierarquicamente do Conselho de Administração, estando integrado na área funcional de suporte à prestação de cuidados.

A equipa de Serviço Social desenvolve a sua intervenção a vários níveis:

  • Serviços de internamento – Acolhimento do doente/família, estudo diagnóstico, coordenação e mobilização de recursos com vista ao encaminhamento das situações;
  • Serviços de urgência – Atendimento personalizado ao doente/família, estudo diagnóstico, coordenação e mobilização de recursos com vista ao encaminhamento das situações;
  • Ambulatório – procura de respostas com carácter multidimensional (que respondam às diferentes dimensões do problema) em articulação com outros técnicos que intervenham na mesma situação problema, através da concertação de estratégias, quer a nível do diagnóstico, quer na definição do projeto de intervenção individual e/ou familiar;
  • Participação em Grupos de Trabalho Multidisciplinar.

 

Equipa:

  • Dra. Benedita Nunes, Diretor de Serviço
  • Dr. Arménio Neves, Administrador

 

Contactos:

Telefone: 212 736 727

E-mail: servico.social@hgo.min-saude.pt

Blocos Operatórios

O Bloco Operatório Central do HGO está localizado no Piso 1 do Hospital, onde se encontram também a Unidade de Cuidados Intensivos, o Serviço de Anestesiologia, a Urgência Geral e o Bloco de Partos.

O Bloco Operatório Central dispõe de sete suites operatórias e uma sala de operações simples. As salas são de utilização polivalente estando, no entanto, algumas preferencialmente afetas a determinadas especialidades.

A equipa cirúrgica base é constituída por Cirurgião, Ajudante, Anestesista e três enfermeiros. Uma das salas e uma equipa está afeta à Urgência 24 horas por dia.

Atualmente, são 11 as especialidades que utilizam o Bloco Operatório (Cirurgia Geral, Cirurgia Pediátrica, Cirurgia Plástica, Cirurgia Vascular, Ginecologia, Neurocirurgia, Oftalmologia, Otorrinolaringologia, Ortopedia-Traumatologia, Pneumologia de Intervenção e Urologia).

 

Equipa:

  • Dra. Natália Marques Dias, Diretor de Serviço
  • Enf. Teresa Chambel, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Umbelina Santos, Administrador

 

Contactos:
Telefone: 212 727 236
Email: secretariado.blocooperatorio@hgo.min-saude.pt

Cirurgia de Ambulatório

A cirurgia de ambulatório é uma das grandes apostas da prestação de cuidados de saúde do Hospital Garcia de Orta.

Entende-se por cirurgia de ambulatório todo o procedimento cirúrgico programado habitualmente efetuado em regime de internamento, em que o doente é admitido e tem alta para o seu domicílio no dia da intervenção ou no período máximo de 24 horas, designando-se neste caso de cirurgia de ambulatória com pernoita hospitalar.

A Unidade de Cirurgia de Ambulatório do HGO está localizada no Piso 6 do Hospital e dispõe de duas salas de operações, uma unidade de cuidados pós-anestésicos e diversas áreas de apoio.

Para que um utente seja operado em ambulatório, é necessário o cumprimento de alguns critérios de admissibilidade cirúrgicos, sociais e anestésicos, nomeadamente, entre outros, que se trate de uma intervenção cirúrgica de duração inferior a 120 minutos, sem necessidade de cuidados pós-operatórios especializados, ter transporte assegurado em veículos automóvel, área de residência ou local de pernoita a menos de 60 minutos de distância do Hospital ou idade superior a 14 anos.

Equipa:

  • Dra. Natália Marques Dias, Diretor de Serviço
  • Enf. Teresa Chambel, Enfermeiro Chefe

Contactos:
Telefone: 212 727 156
Email: sec.ciramb@hgo.min-saude.pt

Consulta Externa

O Serviço de Consulta Externa funciona no 1º piso junto à entrada lateral do Hospital. Algumas destas consultas realizam-se, no entanto, fora deste Serviço, noutros pisos do Hospital. No momento do agendamento da consulta, serão disponibilizadas informações sobre a localização, dia e hora da mesma.

No dia e hora marcados dirija-se ao secretariado respetivo para se fazer anunciar. A central de marcações funciona todos os dias úteis, das 08:00 às 20:00.

As consultas só podem ser solicitadas através dos Centros de Saúde/Unidades de Saúde Familiar (USF) por via eletrónica, médico assistente ou ainda por referenciação interna.

Para mais informações sobre o funcionamento da Consulta Externa do HGO, dirija-se ao balcão de informações ou utilize o correio eletrónico.

 

Equipa:

  • Dr. Henrique Santos, Diretor de Serviço
  • Enf. Elisabete Santos, Enfermeiro Chefe

 

Contactos:
Telefone: 212 940 294
E-mail: secretariado.consexterna@hgo.min-saude.pt

Cuidados Intensivos

A Medicina Intensiva é uma área diferenciada e multidisciplinar das ciências médicas, que aborda especificamente a prevenção, o diagnóstico e o tratamento de doentes em condições fitopatológicas que ameaçam ou apresentam falência de uma ou mais funções vitais, mas que são potencialmente reversíveis.

É por natureza multidisciplinar e tem por objetivo primordial suportar e recuperar funções vitais, de modo a criar condições para tratar a doença subjacente e, por essa via, proporcionar oportunidades para uma vida futura com qualidade.

A nível humano e organizativo, os hospitais têm vindo a ser forçados a aumentar cada vez mais a capacidade de internamento em áreas destinadas a doentes críticos e o número de intensivistas capazes de garantir a necessária qualidade assistencial.

O Serviço de Cuidados Intensivos do HGO é um Serviço Polivalente de Medicina Intensiva de nível III com idoneidade para formação de internos de especialidade e especialistas em Medicina Intensiva.

Tem como missão prestar cuidados altamente diferenciados, dando resposta às necessidades dos doentes que apresentam falência de um ou mais órgãos ou sistemas, e necessitam de apoio tecnológico e de cuidados permanentes quer médicos, quer de enfermagem não possíveis de serem prestados noutros serviços do Hospital.

Qualquer informação adicional ou pedidos de esclarecimento poderão ser efetuados durante as horas de expediente (das 8:30 às 16:00).

 

Equipa:

  • Dr. Antero Fernandes, Diretor de Serviço
  • Enf. José Serra, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Susana Sampaio, Administradora Hospitalar

 

Contactos:
Telefone: 212 727 265

Exames Especiais

Para efetuar quaisquer exames no Hospital, os utentes deverão dirigir-se, à hora marcada, ao respetivo Serviço e anunciarem-se junto do Secretariado, cumprindo rigorosamente as indicações que lhe são prestadas.

Sempre que possível, deverão trazer exames anteriores que possam ser úteis na sua avaliação clínica global.

O Bloco de Exames Especiais funciona no Piso 3 e executa exames e atos clínicos de natureza diversificada e em grande variedade de áreas clínicas.

Urgência Geral

O Serviço de Urgência Geral tem a responsabilidade assistencial direta na urgência/emergência aos habitantes dos Concelhos de Almada e Seixal (cerca de 350 mil habitantes), e responsabilidade complementar da população proveniente dos Hospitais da Península de Setúbal, em especial aos doentes neurocirúrgicos e trauma complicado (cerca de 790 mil habitantes).

Quais os cuidados de saúde prestados e as áreas de atividade do Serviço de Urgência Geral?

  • Emergência pré-hospitalar | Centraliza a sua atividade na atuação da Viatura Médica de Emergência (VMER), com equipas autónomas sob a orientação de um coordenador;
  • Área de ambulatório | Compreende a reanimação, a triagem, salas de atendimento médico, cirúrgico e de outras especialidades;
  • Internamento
    • UCDI – Unidade de Cuidados Diferenciados Imediatos com 7 camas (das quais mantém 3 de ventilados), esta unidade é orientada para cuidados a doentes que carecem de monitorização e cuidados específicos.
    • UIMC – Unidade Internamento Médico-Cirúrgico com 20 camas (mais uma de isolamento) das quais 8 monitorizadas.
    • UMICD – Internamento de Curta Duração de doentes da área da médica para situações de internamento inferior a 5 dias. Contempla 16 camas de internamento.
  • Outras atividades:
    • Participação no programa de Colheitas de Órgãos e Transplante do Hospital;
    • Desenvolvimento de novas atividades relacionadas com o tratamento de doentes em ambulatório, sob supervisão de profissionais de saúde;
    • Educação para a saúde. O serviço está disponível para colaborar, junto de instituições, na tarefa de ensino da população sobre a melhor forma de utilizar o Serviço de Urgência.

Equipa:

  • Dra. Alexandra Buchel Marques Reis Matos, Diretor de Serviço
  • Enf. António Rocha, Enfermeiro Chefe
  • Dra. Susana Sampaio, Administrador

 

Contactos:
Telefone: 212 727 272
E-mail: secretariado.urgger@hgo.min-saude.pt